quinta-feira, 6 de maio de 2010

Lovecraft inspirando o Heavy Metal

Não é segredo para ninguém que a obra de Lovecraft serviu (e ainda serve) como inspiração para dezenas de bandas de Heavy Metal desde os primórdios do gênero. Mas até onde vai essa inspiração e por qual motivo um escritor dos anos 20-30 se tornou referência para essas bandas?

O gênero musical e o ocultismo parecem sempre ter andado de mãos dadas seja por interesse legítimo ou para criar aparências e gerar polêmica. Desde os integrantes do Led Zeppelin, mergulhados nos ensinamentos de Alesteir Crowley (chegaram até a comprar o castelo dele às margens do Loch Ness) até os grupos de death-metal de pretenso cunho satânico, o misticismo está nas letras, atitude e nas capas dos discos.

Lovecraft não escrevia especificamente sobre ocultismo ou sobrenatural, mas sua visão de um mundo obscuro sob a influência de poderosas forças malignas sem dúvida teve influência sobre as letras de várias bandas.

Nós fomos inspirados pelos textos de Robert E. Howard, H.P. Lovecraft, Eliphas Levy, Aleister Crowley (…) e tudo isso acabou entrando nas letras de ‘Morbid Tales’. Tinha muita influência, muita ‘inspiração’ de fora da música naquela época”, disse em uma entrevista Martin Eric Ain, baixista da banda de metal sueca Celtic Frost.

"Beyond the Wall of Sleep" da legendária Black Sabbath é uma referência mais do que clara ao ciclo de sonhos envolvendo o mundo onírico criado por Lovecraft. A banda Morbid Angel, uma das pioneiras no gênero também cultivava interesse em Lovecraft, visto que o nome de palco de seu guitarrista era Cthulhu e o baterista por algum tempo se identificou como Azathoth.

No final dos anos 60, no auge do movimento paz e amor, uma banda de rock psicodélico de San Francisco chamada H.P. Lovecraft surgiu na cena musical. Além da referência direta ao nome, músicas como "The White Ship" deixavam claro que o escritor era sua principal influência.

A mais conhecida das homenagens talvez tenha sido prestada pelo Metallica. O falecido baixista da banda americana, Cliff Burton, era um grande fã de Lovecraft e foi ele quem apresentou aos seus parceiros os contos e a mitologia dos Mitos Ancestrais. Algumas letras de músicas do Metallica são inspiradas em temas lovecraftianos, a música "The Thing that should not be" por exemplo, se refere a uma entidade chamada Nyoghtha, que é conhecida exatamente como "a coisa que não deveria existir". No entanto, nenhum outra música tem uma associação tão óbvia quanto a epopéia instrumental intitulada “The Call of Ktulu” do disco Ride the Lightning.

Embora a grafia usada seja diferente, "The Call of Ktulu" é uma das mais interessantes músicas do Metallica uma verdadeira tour de force com mais de oito minutos de duração, cheia de estilo, opressão e grandiosidade. Tida por muitos críticos como uma das composições mais trabalhadas do Metallica e foi indicada ao prêmio Grammy como melhor música instrumental em sua versão acompanhada pela Orquestra Filarmônica de San Francisco.

A devoção da banda a cultura lovecraftiana não se limita a "The Call of Ktulu" os demais membros parecem ter compartilhado da admiração de Burton pelo tema. O guitarrista Kirk Hammet se apresentou várias vezes usando uma camiseta do filme Re-Animator (1985) inspirado na obra de Lovecraft.

O Chamado de Cthulhu” também serviu de inspiração para a banda sueca de heavy metal melódico Crystal Eyes. O disco “Dead City Dreaming”, é uma alusão direta a condição de Cthulhu dormindo e sonhando no interior da cidade cadavérica de R'Lyeh. Os americanos da Cockfight Club também homenagearam o escritor em 2006 com uma música com seu nome. Um video inclusive foi feito, nele um ator atuando como Lovecraft aparece escrevendo no conforto de seu escritório.

Trilhando um caminho semelhante, os ingleses da banda Cradle of Filth também exploram os temas lovecraftianos tanto nas letras quanto nas capas de seus discos. No disco "Midian" uma das músicas é intitulada "Cthulhu Dawn" e a letra fala especificamente do despertar do Grande Antigo e das trágicas consequências para a humanidade. O uso de termos como Sarnath e Kadath demonstram que compositor da banda conhece à fundo a mitologia de Lovecraft.

Um dos discos seguintes do Cradle foi "Lovecraft & Witch Hearts" que continuava bebendo da fonte dos Mitos.

Igualmente popular é a capa do disco Live After Death do Iron Maiden (para alguns a mais importante banda de Metal de todos os tempos) que presta uma homenagem a Lovecraft. A citação talhada na lápide de Eddie, o morto vivo mascote da banda desde o início, pertence a Lovecraft:

"That is not dead which can eternal lie, And with strange aeons even death may die"

O trecho, apareceu pela primeira vez no clássico "O Chamado de Cthulhu" e é uma das mais famosas citações na obra de Lovecraft.

É curioso que Lovecraft tenha se tornado tão popular entre essas bandas, é possível dizer com certeza quase absoluta que ele iria reagir com choque e repudiar todas essas homenagens.

H.P. era conhecido como um cidadão tranquilo, pouco a afeito a estilos musicais "modernos", dança e ritmos que para ele nada acrescentavam a cultura dominante. Em 1920-30, o jazz era o estilo musical da moda e Lovecraft parecia manter distância dele a todo custo.

Se os conjuntos de jazz soavam como uma cacofonia infernal, qual seria sua reação aos solos de guitarra, bateria e às letras apocalípticas? Felizmente jamais saberemos...

E para terminar em grande estilo, eis aqui um vídeo com uma montagem de "The Call of Ktulu" do Metallica de longe um dos melhores que eu já vi na internet. As imagens e a sincronia com a música são perfeitas.



Baseado no texto "Pensadores e Autores que inspiraram o Heavy Metal: H.P. Lovecraft" por Tadeu Salgado.

7 comentários:

  1. Sempre desconfiei que havia algo de HP Lovecraft em "The Thing that Should not be". Que bom ter um especialista para confirmar ao leigo aqui.

    Parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
  2. Só pra constar, segue a letra da The Thing That Not Should Be. A quantidade de referências é grande:

    Metallica
    The Thing That Should Not Be
    Songwriters: Hammett, Kirk L; Hetfield, James Alan; Ulrich, Lars;

    Messenger of fear in sight
    Dark deception kills the light

    Hybrid children watch the sea
    Pray for Father, roaming free

    Fearless wretch insanity
    He watches lurking beneath the sea
    Great old one forbidden site
    He searches, hunter of the shadows is rising
    Immortal in madness you dwell

    Crawling chaos, underground
    Cult has summoned, twisted sound

    Out from ruins once possessed
    Fallen city, living death

    Fearless wretch, insanity
    He watches lurking beneath the sea
    Timeless sleep has been upset
    He awakens, hunter of the shadows is rising
    Immortal in madness you dwell

    In madness you dwell

    Not dead, which eternal lie
    Stranger eons death may die

    Drain you off your sanity
    Face the thing that should not be

    Fearless wretch, insanity
    He watches lurking beneath the sea
    Great old one forbidden site
    He searches, hunter of the shadows is rising
    Immortal in madness you dwell

    ResponderExcluir
  3. E para quem desconhece, existe uma banda de death metal do nordeste brasileiro chamada Sanctfyer que possui uma tematica em todas as suas letras que é totalmente inspirada nos contos de lovecraft, acho que não lançaram mais do que uns três cd's mas pra quem gosta do estilo vale a pena conferir, eu tenho o primeiro deles e é muito bom.XD

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Retificando, o nome da banda não é Sanctfyer com "y" e sim Sanctfier com "i". Acontece que eu fiquei meio insano depois de tentar tirar Hey there Cthulhu do Eben Brooks no violão, ^^!

    ResponderExcluir
  6. ...o nome correto da canção do Sabbath é Behind The Wall of Sleep...excelente post...

    ResponderExcluir
  7. Belo texto, mas deixar de fora o Mercyfull Fate e o King Diamond foi um pecado.

    ResponderExcluir