domingo, 19 de maio de 2013

As Estrelas estão certas! - Finalmente é tempo de Cthulhu no Brasil


Senhores e Senhoras,

Desde o dia em que criei o Blog MUNDO TENTACULAR espero poder dar essa notícia, e finalmente aconteceu, então preparem-se pois...


CALL OF CTHULHU 
ENFIM SERÁ 
PUBLICADO NO BRASIL!


Pedro Ziviani, um dos responsáveis pela EDITORA TERRA INCÓNITA  acabou de enviar um release sobre a publicação do Livro Básico de Chamado de Cthulhu no Brasil. Segundo ele, o livro, será lançado ainda esse ano, através de Financiamento Coletivo. 

Aqui está o texto do release:


As estrelas estão finalmente alinhadas para a chegada do RPG Chamado de Cthulhu no Brasil!

A Terra Incognita Editora traz ao público brasileiro a sexta edição deste jogo clássico, baseado nas obras do grande mestre do horror cósmico, H.P. Lovecraft. Um pioneiro do horror em RPGs, Chamado de Cthulhu vendeu mais de 300 mil cópias desde seu lançamento em uma tempestuosa sexta-feira 13 de 1981 e ganhou inúmeros prêmios durante seus mais de 30 anos. O jogo utiliza o sistema de regras Basic Roleplaying System, que é fácil de aprender e rápido em jogo.

Arrisque a própria sanidade ao desvelar horrores além do espaço e tempo. Investigue ruínas esquecidas pelo homem, antigas florestas, montanhas e mansões assombradas por horrores inomináveis. Se você já se arrepiou com uma história de fantasma, perdeu o fôlego com um filme de terror e quer enlouquecer um grupo de amigos em um fantástico jogo, Chamado de Cthulhu é pra você!


Em breve iniciaremos a companha de financiamento coletivo para publicação do livro.

Terra Incognita Editora são: Pedro Ziviani, Kairam Hamdan, Mauro Lucio Amado.

Mais informações à respeito do lançamento poderão ser obtidas ao longo das próximas semanas na página do Chamado de Cthulhu no Facebook.

facebook.com/chamadodecthulhu



Logo teremos aqui no blog uma entrevista com o pessoal da Terra Incógnita com mais informações sobre esse grande lançamento.

Iä! Iä! Cthulhu Fhtagn 

22 comentários:

  1. Possivelmente a melhor notícia do ano!!! :D

    ResponderExcluir
  2. complicado, pq vai concorrer com "No rastro de Cthullhu" que a Retropunk tem publicado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Além disso, a iminente 7ª edição já está em playtest.

      Acho um tiro no pé lançar Call of Cthulhu 6ª edição agora.

      Excluir
    2. A 7a. edição ainda não está totalmente aprovada pela Chaosium. Eu francamente não sei com vai ficar essa edição. E embora espere que seja um bom livro, não sei ainda se todas as mudanças vão me agradar. Algumas coisas achei interessante, outras, nem tanto... as chances de eu continuar jogando o CoC clássico (da 1a a 6a edições) são muito grandes.

      As edições anteriores de CoC são reconhecidamente muito boas e com um sistema/ambientação consagrado que mudou muito pouco. Além disso há mais de 100 suplementos lançados ao longo dos seus 30 anos de existência, ou seja, material é que não falta.

      Excluir
    3. Os suplementos antigos continuarão a ser suportados na 7ª edição (conforme o próprio pessoal da Chaosium disse no seminário), as mudanças não serão tão drásticas.

      Mesmo que os suplementos não fossem compatíveis, esse argumento de "100 suplementos lançados ao longo dos seus 30 anos" é meio furado:
      1 - Se formos pelo histórico do RPG nacional, não serão traduzidos nem 10% desses suplementos.

      2 - Se for pra jogar usando os suplementos em inglês, eu poderia argumentar então que sequer é necessária uma tradução de CoC pro português. E ambos os argumentos são ruins, certo?

      3 - Uma vez que os suplementos com certeza chegarão aos poucos, nada impede que sejam traduzidos então os suplementos da 7ª edição conforme forem lançados.


      A 5ª e a 6ª são boas, mas tem seus defeitos. Eu não conheço um grupo de CoC que não tenha toneladas de houserules pra contornar os defeitos do sistema BRP. Eu adoro o CoC da Chaosium, as melhores partidas de RPG da minha vida fora jogadas nesse sistema, mas ele pode ficar melhor e há tempos merece uma revisada.

      Excluir
    4. Opa Eduardo,

      A própria Chaosium não sabe quando será feito o lançamento da 7a edição. Resta aguardar, o que pode acontecer esse ano, ano que vem ou daqui alguns anos, pode até vir a não acontecer.

      Quanto aos suplementos, não imagino obviamente que TODOS serão lançados aqui no Brasil. Existe, entretanto, o interesse da editora em lançar alguns bons suplementos e material original, o que é, deveras animador. Olha eu falando demais!

      Sobre porque lançar em português, ora a resposta é simples. Nem todos falam inglês e o livro saindo no nosso idioma abre as portas para um grande número de jogadores que jamais tiveram acesso a ele por encontrar barreira de língua, disponibilidade ou ambas.

      Estou animado com o lançamento do Chamado em português em uma edição que serve perfeitamente bem para apresentar meu jogo preferido.

      Há defeitos em CoC nas edições 5 e 6? Sem dúvida! Mas qual RPG é perfeito em todos aspectos? Eu mesmo, uso house rules e variantes que encaixam bem no meu jogo e sei que na iminência de uma sétima edição, devo colocar em ação outras House rules que permitam eu me sentir mais à vontade com as mudanças a serem realizadas (se é que elas acontecerão).

      A grande verdade é que não sabemos como será a sétima edição, se vai ser boa ou não. Sabemos que haverá algumas mudanças, muitas delas polêmicas. Em contrapartida sabemos que a sexta edição é um bom livro que, apesar de sim, ter seus problemas se mostrou resistente e encontrou seu espaço. Por isso ela é bem vinda!

      Excluir
  3. Já joguei o Call of the Cthulhu D20 e não gostei, não sei como é o sistema original, mas se não for na mesma pegada da versão D20 pode ser que seja bom.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, a versão D20 ficou muito ruim.

      Excluir
    2. Não tem comparação. O BRP pega muito mais o espírito Lovecraftiano da coisa... O d20 é bem ruinzinho pra esse tipo de jogo.

      Excluir
  4. Bruno - Na minha opinião, um sistema/jogo não anula o outro.

    Eu costumo jogar os dois numa boa e gosto de ambos, pois oferecem uma visão diferente do universo do Mythos. Além disso, um pode complementar o outro expandindo a ambientação e oferecendo novas possibilidades e ideias. Já adaptei cenários de CoC para Rastro e vice-versa e funcionou muito bem.

    Bob Mota - Call of Cthulhu na minha opinião é melhor que a versão D20, mas conheço jogadores que se adaptaram muito bem ao sistema d20 e levam campanha dele até hoje. O livro em si é muito bem escrito pelo Monte Cooke, mas não é o meu sistema favorito.

    ResponderExcluir
  5. Luciano, mas não seriam ambos, Call e Rastro, a mesma ambientação, mas com sistema de regras diferentes?

    ResponderExcluir
  6. Sim e não, Bruno.

    Chamado de Cthulhu trata da atividade do Mythos nos anos 1920 principalmente (com uma vertente para os anos 1890 e atual). Rastro se concentra nos anos 1930 e 1940.

    A pegada deles é um pouco diferente também, embora os dois tratem da atividade de forças nefastas e ameaçadoras na Terra existe uma maneira diferente de como essas forças se manifestam em cada cenário.

    O que acho interessante é o fato de que embora as regras sejam diferentes a ambientação é parecida o bastante para permitir utilizar elementos de um no outro. Por exemplo: usei as ideias do livro Bookhounds of London (de Rastro) para Call, em contra-partida transformei duas aventuras que tinha escrito para Call em aventuras de Rastro, logo que ele foi lançado.

    ResponderExcluir
  7. Realmente para um bom mestre de RPG ambos os sistemas se complementam e não concorrem. Eu quando comecei a jogar RPG'S de Horror baseados nos Mythos nem ao menos tive acesso ao livro de Call of Cthulhu (pois sinceramente não sabia o suficiente de inglês para lê-lo), então usávamos as regras do Storyteller mesmo e criando tudo que fosse necessário.

    Com o tempo e com a insistência acabei aprendendo e optando pelas regras de CoC e fui lendo o material lançado pela Chaosium(PDF's, afinal é muito difícil de consegui-los no Brasil), mas ainda assim levando muito da experiência que tive com os sistemas que haviam vindo antes dele. Foi a mesma coisa quando comecei a jogar Rastro de Cthulhu.

    Desta forma, caso realmente saia o famigerado Call o Cthulhu em português, ele ficará ao lado da versão em inglês que tenho aqui em casa, ocupando a mesma prateleira que ostenta o Rastro. Não que haja a necessidade de ter o livro em português hoje em dia, mas sim como incentivo financeiro a essas novas editoras e suas tentativas de lançar livros aqui no Brasil, que de outra forma jamais seriam editados.

    ResponderExcluir
  8. Finalmente!! Notícia excelente! Ia Ia Cthulhu Fhtagn!! Fiquei tão empolgado que acho que perdi sanidade. :D

    ResponderExcluir
  9. Uhuuuu! Finalmente! As estrelas realmente devem estar alinhadas e os Grandes Anciões prontos para despertar! No "ano que não deveria ter existido", eis que vem uma grande notícia, sempre esperei por esse momento! Que venha logo o financiamento coletivo e a publicação desse livro fenomenal em terras tupiniquins, já passou da hora de ele ter uma versão em nossa língua materna! Muito contente com a notícia!

    ResponderExcluir
  10. Isso foi um sonho? Estou acordado?

    ResponderExcluir
  11. tive un nerdgasmo agora!!!!!! espero q logo tenhamos darck age Cthulhu e Cthulhu invictus tbm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ps. ñ sei se é o meu pc, mais esse artigo ñ esta aparecendo as duas fotos do meio

      Excluir
  12. Uma espera eterna essa!. Vamos aguardar realmente a realidade ou mito?. Pois me lembro muito tempo antes que o CoC era da Devir, na época, já se falava que estava traduzido etc., e depois só foi boatos. Quando sai o Rastro só alegria. Espero que realmente este livro chegue a nós. Fico ainda com os dois pés atrás.

    ResponderExcluir
  13. Eu vou comprar porque eu sou um verme, e sempre acreditei que o que queremos incentivar temos que incentivar com dinheiro.
    Mas é fato que o Call of Cthulhu 6 ed. é um jogo com uma proposta um pouco mais antiga e para o meu estilo de jogo eu acho melhor o Rastro de Cthulhu.

    Acho que depois de tanto tempo poderia-se focar em outras coisas. Temos a versão de Little Fears nacional tentando ser financiado pelo (http://catarse.me/pt/littlefearsbrasil) é um investimento que eu acho bem mais bacana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não curti esse Little Fears não... e olha que eu curto financiar pelo catarse.me: ajudei no cardgame Contágio e no Cosa Nostra - RPG, mas,esse Little Fears me parece uma versão mais fraca do que já se pode fazer com o cenário de Grimm, por exemplo.

      Excluir
  14. Finalmente a espera vai acabar mesmo atrasado mais de 10 anos, ainda acredito que vai dar muito certo, assim como rastro tem dado. Mesmo possuindo o material em inglês com certeza apoiarei e vou adquirir todo material que for lançado em português, mas por quê? Para incentivar mais publicações desse tipo e para que possa chegar a aquelas pessoas que anteriormente se interessaram no CoC, mas esbarram no problema de não existir material na nossa língua.

    Realmente não acho que a publicação desse material entraria para disputar com Rastro, mas sim para somar. Pois acredito que assim como eu, quem é louco por Cthulhu, tenta ter o maior numero possível de coisas relacionado ao tema.

    E quanto a esperar pela sétima edição, além de que vai demorar até outubro pelo que vi para sair, trata-se de um financiamento coletivo, que pode não atingir a meta (acho remota a ideia de não conseguir atingir a meta, assim como Horror on the Orient Express que além de bater a meta obteve uma ótima arrecadação).
    Mas além disso, como foi dito acima não sabemos se será uma boa edição ou não, mas sabemos que a sexta edição é um ótimo material, então não vejo problemas

    E que seja lançado logo, pois estamos todos ansiosos por esse material!

    ResponderExcluir