sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Belregard - Explore um mundo Medieval assolado pela ruína e derrota


Aqui está uma breve apresentação de Belregard, RPG Medieval de Fantasia Dark, criado por nosso colega Jefferson Neves. Material muito interessante e que vale a pena ser conhecido. Nesse artigo ele fala um pouco do jogo e de seus conceitos básicos.

Por J. Neves

O que é Belregard?

Belregard é um RPG em que se interpreta personagens que vivenciam histórias de horror em um cenário medieval cru e brutal, à imagem do que foi a Idade Média europeia após a queda do Império Romano. Trata-se de um lugar escuro, envolto por uma Era de Trevas e ignorância, onde a única salvação da humanidade parece residir na Fé. O todo poderoso Tribunal do Supremo Ofício, recruta homens virtuosos que interpretam as misteriosas parábolas do Criador, o Deus Pai. Mas não pense que esta aura de religiosidade os coloca à parte das trevas que cercam o mundo. 

A bem da verdade, não importa para onde você corra ou onde tente se esconder, a escuridão não precisa lhe alcançar, ela reside dentro de cada um. Todo homem e mulher de Belregard é capaz de feitos incríveis, seja para o bem ou para o mal. São filhos do Criador, o que torna a corrupção ainda mais saborosa para o Inimigo, a Sombra Viva.

Arrisque-se neste mundo derrotado, entregue aos caprichos de uma força invisível que vive dentro do coração de cada mortal. Explore as ruínas imperiais, desbrave os ermos isolados, combata os inimigos de tua casa, de teu estandarte, no campo de batalha e na corte, onde uma língua afiada vale mais que a mais mortal das lâminas. Permita-se descobrir o monstro que existe dentro de você, quando perceber que está sozinho num mundo de mentiras e tormentos. Abrace a loucura que é conhecer os pesadelos vivos, enclausurados nos confins do mundo em covis que o próprio tempo esqueceu. 

E lembre-se, ninguém olhará por você. Você está sozinho nas trevas. O Criador não mais lhe sorri da Abóbada Celeste, ela está vazia... 

Deus está MORTO!

Conceitos do Jogo:

Magia: Ela não existe da forma como muitos podem imaginar. Não existem conjuradores capazes de controlar forças primordiais e criar incríveis efeitos destrutivos. A única magia, manipulada por homens, uma vez conhecida em Belregard vinha da adoração ao Único e mesmo esta desapareceu. Apesar disso, ela ainda existe. Belregard é um mundo de magia inata, uma força que brita da própria terra,  colocada ali  pelo  Criador  no  início  dos  tempos  para que  a  natureza  tomasse  forma.  Muitos fiéis não querem admitir, mas os cultos primordiais, aqueles que servem à Horda, possuem ritos sangrentos, nefandos e maquiavélicos de magia. Com ou sem o consentimento, esta  bruxaria é real e seu poder foi sentido ao longo da história, por mais que o Tribunal negue sua existência.

Verdade:  Ela  não  existe.  Belregard  foi  escrito  com  um conjunto de relatos tendenciosos, que não refletem uma resposta definitiva à maior parte das perguntas apresentadas. A verdade pode variar em inúmeros pontos  de  vista  diferentes  e  isso  deve  ser  lembrado  por aqueles  que  desejam  criar  suas  estórias  aqui.  Não  existe apenas um caminho para determinado fim. Isso fica claro, ainda,  na  fé  que  os  homens  seguem  neste  jogo.  Existem interpretações oficiais para aquilo que o Único deixou de ensinamento para os homens, mas nada impede que cada um tenha sua própria verdade particular.

Maniqueísmo: Ele não existe. Este ponto é muito importante,  os  homens  de  Belregard  não  possuem  uma única face. Suas almas não são negras ou imaculadas, nada é preto ou branco, mas sim, cinzentos.  Não existem heróis definitivos ou vilões irrecuperáveis, e se existem, são a mais pura exceção do mundo. A lealdade é uma moeda muito importante nestas terras onde cada um  tem seus próprios interesses ao  envolver-se  em  problemas  alheios.  Não  se  deixe  enganar  e  não se deixe limitar. Quer que teu igslavo seja festivo e bem humorado como um dalano? Que assim seja. Homens são homens,  para  o  bem  ou  para  o  mal.  Mesmo  os  Arautos, que deveriam ser porta vozes do Único, são pessoas errantes  e  dignas  de  pena  como  qualquer  outro  indigente  de Belregard.

O cruel destino para aqueles que não cumprem as leis dos homens

Ótica: O mundo é diferente aos olhos de quem o encara. Os arautos enxergam a Sombra e a Mentira em todo canto.  Um  nobre  enxerga  o  ouro  e  poder.  Um  cavaleiro enxerga perigos e dever. Deste modo a narrativa será totalmente diferenciada dependendo dos conceitos escolhidos para seu jogo. Seu personagem teve contato com pagãos ou presenciou um rito de bruxaria? Ótimo. Podemos dizer que o mundo se divide entre a espada, a fé e o ouro. Esses caminhos se cruzam, mas não se mesclam com facilidade. Este fator parece simples, mas fará toda a diferença em seu  jogo.

Variedade:  Ela  existe!  Belregard  não  pretende  ser  um cenário com uma única face. A intenção aqui é proporcionar o mais variado tipo de ambientação para uma campanha. É preciso entender que o cenário carrega o perfil cru, brutal e  maduro  da  Idade  Média;  uma época que  inspira  fascínio e terror, com castelos imponentes e damas desdentadas. 

O Evangelho do Cão - Cenário de apresentação
O Horror é um elemento importante na narrativa de Belregard, seja no combate singular, em um torneiro de cavaleiros, ou na busca por pistas de Selvagens habitantes dos ermos. Os mistérios proporcionados pelo desconhecido são a maior arma do narrador aqui, podendo usá-lo para causar todo o tipo de pressão psicológica e física aos envolvidos em suas narrativas. Teste-se, arisque-se, inove-se. Saia da sua zona de conforto e veja o quão bom isso pode ser.

Não  fiquemos  presos  a  conceitos  pré-determinados  de guerreiros e sacerdotes, os personagens de Belregard são pessoas, simplesmente pessoas. Se você se sente minimizado ao ser rotulado pela sua profissão, pense da mesma forma para seu personagem. Use de conceitos e abordagens amplas, faça de seu personagem algo vivo. Belregard  não  é  um  RPG  lento,  arrastado. Pretendemos manter atualizações regulares, independente de futuros lançamentos. Para aqueles que desejam ficar ligados nas atualizações, basta nos seguir nestes endereços abaixo. Todas as críticas e sugestões são bem vindas, seja para a ambientação ou para o sistema de regras.

Facebook - http://www.facebook.com/belregard.rpg.1

As Cinzas do Mundo Derrotado:

Depois de muitas promessas, estamos lançando oficialmente a apresentação de Belregard em PDF. Este arquivo apresenta um pouco qual a proposta do cenário, assim como um resumo das suas regras básicas, facilitando a assimilação por parte dos leitores.

O livreto de quarenta páginas está dividido em quatro capítulos e um apêndice, da forma como se segue:

Introdução – Onde mostramos os preceitos do jogo.

Capítulo I – A Roda da Fortuna: Aqui apresentamos um resumo prático dos acontecimentos que levaram o mundo de Belregard a sua atual ruína sombria.

Capítulo II – Povos de Belregard: Conheça as principais etnias de Belregard, com seus traços e características marcantes.

Capítulo III – Territórios: Conheça a condição das castelanias depois da ruína do império de Virka.

Capítulo IV – Da Lei e da Fé: Compreenda como funciona a estrutura do Tribunal do Supremo Ofício, além de entender melhor o papel da Sombra e dos Arautos.

Apêndice – O Sistema Seis Faces: O próprio de Belregard RPG, explicado de forma clara e direta, além de dicas e sementes de histórias.

Como de costume, aguardamos o feedback daqueles que sempre acompanharam nosso trabalho ou que o conhecerão agora.
  
Vida Longa, CÃO!

LINK PARA DOWNLOAD: 


Artistas cujo trabalho ilustra a postagem: Berto Souza, Fernando Alves, Alexandre Rabelo, Gustav Doré e gravuras medievais de domínio público.

5 comentários:

  1. O cenário me lembra inicialmente o shadows of esteren, que é diga-se de passagem, muito fodástico.

    ResponderExcluir
  2. Ideia excelente, acho que vale a pena conhecer! É impressão minha ou tem traços de "Cthulhu Dark Ages"?

    ResponderExcluir
  3. Agradeço pela divulgação!

    Malkos, o Belregard tem certas semelhanças com o SoE por conta desse climão sombrio mesmo. Mas eu admito que só conheci o jogo tardiamente, ainda não tive a chance de por minhas mãos em um exemplar. Certamente que é uma referência poderosa!

    Azathoth, sim! Cthulhu dark ages é um grande inspiração pro jogo. Como eu tentei fazer algo aberto, com possibilidades variadas para abordagens do cenário medieval sombrio, bebi bastante dessa fonte pra deixar o cenário com um pouco dessa pegada.;

    ResponderExcluir
  4. Baixei os pdfs, parabéns pelo seu trabalho J. Neves! Falando em talentos nacionais, estou lendo "A sombra do passado", da Editora Multifoco. É um livro interessante, tem contos que colocam os mitos de Cthulhu no Brasil.

    ResponderExcluir