sábado, 29 de julho de 2017

Algo sobre nossas cabeças - O Demônio Voador de Guadalupe


Parece o tipo da coisa que a gente encontraria nas páginas de um conto de horror de H.P. Lovecraft. Exceto por um pequeno detalhe: essa pequena história não surgiu no mundo da ficção, mas nos domínios do mundo real.

Tudo aconteceu em Guadalupe, em uma sexta feira, 16 de janeiro de 2004, quando um policial mexicano teve uma experiência bizarra da qual jamais se recuperou. Tudo estava perfeitamente normal até meados das 3 da manhã, quando o inexplicável teve lugar e o horror começou.

O oficial Leonardo Samanego estava em uma missão rotineira de patrulha na área de Colonia Valles de la Salla. Ele havia recebido um alerta para seguir até essa área afastada da cidade respondendo a queixa de um morador não identificado que alegava ter ouvido sons estranhos do lado de fora de sua casa. O policial sabia que poderiam ser jovens que haviam bebido ou usado drogas, ou talvez um vagabundo testando as trancas das casas. De qualquer maneira, não havia motivos para ele se preocupar, a área era bastante tranquila e não tinha histórico de violência.

Samanego, respondeu prontamente e seguiu em sua viatura. Imediatamente ele percebeu que o lugar estava deserto e que vários postes de luz estavam apagados. A rua estava às escuras e sua visibilidade estava limitada ao farol do automóvel.

Enquanto fazia um retorno para descer a rua pela segunda vez, uma figura saltou das sombras de uma grande árvore à margem da estrada e avançou contra a viatura. Samanego não conseguiu enxergar o que era e instintivamente pisou no freio. Dada a hora e a escuridão, o farol estava alto e ele se deparou frente a frente com uma sombra diante do carro. A estranha situação – e sua horrível natureza - se tornaram, repentinamente muito claros. Por alguns segundos o Oficial Samanego não conseguiu fazer nada a não ser encarar em absoluto terror aquela criatura delgada, com olhos negros e movimentos furtivos. Aquela coisa horrível parecia um demônio ou uma bruxa, não era algo natural. O impasse foi rompido quando a criatura saltou, abrindo enormes asas negras que se projetavam de suas costas. 

O diabo alado aterrizou sobre o capô do carro, escalou até o topo e começou a bater com as mão e garras no teto. Os punhos da coisa golpeavam o para-brisa violentamente. Em pânico Samanego colocou o carro em marcha ré e pisou fundo no acelerador. O veículo retrocedeu pela estrada de terra em alta velocidade com a coisa ainda agarrada no teto. O oficial tentou um cavalo de pau para derrubá-la, mas em seu desespero não calculou a extensão da estrada e acabou se chocando com um muro.


Surpreso, o policial não teve tempo de se recobrar da batida que o atirou de um lado para o outro. A coisa já estava tentando agarrá-lo novamente, as garras arranhando o vidro e os punhos batendo. Por um instante ele quase desmaiou, mas antes de perder os sentidos, sua mão deslizou pelo cinturão e agarrou a arma de serviço, um pistola 38. Mais tarde, o policial soube que esvaziou a arma. O painel se estilhaçou e enquanto ele desmaiava, o som de uma sirene se fez ouvir. Foi a última coisa antes dele mergulhar na escuridão. Isso e o som de enormes asas se afastando.

O Oficial foi socorrido por uma viatura de polícia de um colega, que foi atraído pela comoção. A coisa havia desaparecido e o policial que prestou os primeiros socorros descobriu que Samanego havia sofrido uma leve concussão. Enquanto pedia socorro pelo rádio, o Oficial não conseguia parar de olhar para o céu noturno.

Em maio de 2009, Ken Gerhard um conhecido criptozoologo de San Antonio, viajou até o México onde ouviu falar da história do Oficial Samanego. Depois de muita insistência, ele enfim conseguiu marcar uma entrevista. Gerhard logo percebeu o quão traumático o acontecimento havia sido para o policial: mesmo transcorridos cinco anos, ele ainda gaguejava ao narrar o episódio:

"Em vários momentos, era possível perceber que ele reagia de forma incomodada tendo de lembrar do acontecimento que mudou sua vida para sempre. Leonardo confessou durante a entrevista que ainda tinha pesadelos com o encontro e que ocasionalmente ainda desperta gritando em pânico, coberto de suor".

Gerhard conversou com os superiores do policial e com seus companheiros. também com a família e amigos. Todos foram unânimes em dizer que o Oficial, duas vezes condecorado era um excelente profissional, respeitado e querido por todos. Em quatro anos de serviço, até aquela noite fatídica, ele havia recebido excelentes avaliações. 

Todos disseram que não havia motivo para que o patrulheiro Leonardo Samanedo inventasse aquele encontro aterrorizante. E por mais estranho que fosse, era difícil contradizer alguns dos fatos.

Primeiro havia a viatura de polícia: O automóvel, um Cruiser, apresentava danos consistentes com os descritos pelo oficial. A batida na parte traseira e o painel estilhaçado pelos disparos da pistola. Além disso, havia um afundamento no capô e no teto, como se algo pesado tivesse caído sobre ele. Havia ainda marcas condizentes com arranhões na lataria do carro, riscos na pintura que pareciam ter sido produzidos por algo afiado.


Além disso, havia estranhas pegadas no chão que pareciam pés descalço e que foram vistas pelo policial Gustavo Martinez que socorreu Samaniedo. Diante do alerta do oficial ferido, Martinez ficou apreensivo olhando para todos os lados enquanto prestava os primeiros socorros.

"Ele estava desmaiando, acordava e apagava toda hora, mas quando voltava a si, dizia para eu tomar cuidado com uma coisa que voava", contou Martinez a Gerhard. "Eu realmente acredito que ele viu alguma coisa e que essa coisa tentou matá-lo. O que era eu não sei... talvez nunca saibamos. Mas eu acredito que havia algo lá. Se era um demônio não sei, mas conheço Leonardo o bastante para saber que um homem não poderia assustá-lo daquela maneira".

Martinez não viu o demônio voador, mas quando chegou ao local, atraído pelos tiros haviam passado alguns minutos. A coisa, se é que de fato existia, já havia sido afugentada pelos disparos.

Samanedo foi levado para um hospital e tratado de sua concussão. A princípio ele relutou em contar o que havia acontecido, apenas na semana seguinte, aconselhado pela esposa decidiu revelar o que havia atacado sua viatura. A essa altura, os pesadelos já tiravam seu sono e ele não conseguia dormir em paz, sendo acordado pela visão demoníaca noite após noite. 

O caso de Samanedo ganhou a mídia e a opinião pública foi bastante crítica sobre ele - jornalistas e repórteres fizeram grande alarde a respeito do caso do que chamaram "Demônio Voador de Guadalupe". 

A partir dessa ocorrência, outras pessoas começaram a reportar avistamentos de alguma coisa estranha voando sobre a Colonia Valles de la Salla. A maioria das pessoas parecia querer apenas chamar a atenção, mas um morador da vizinhança deu um testemunho bem mais interessante, colhido por Gerhard durante sua investigação do incidente. O morador local, que preferiu não se identificar, revelou ter sido ele quem ligara para a polícia na noite em que se deu o acontecimento. Revelou ainda que alguns outros moradores também viram o demônio, mas que preferiam não falar a respeito temendo serem ridicularizados. 

"A criatura voava baixo e caminhava sobre os telhados fazendo barulho. Eu o vi e liguei para a polícia anonimamente por saber que ninguém acreditaria se eu explicasse o que estava acontecendo. Quando vi o desenho da coisa no jornal, feito como um retrato falado, eu reconheci imediatamente", contou.

Mas havia uma surpresa inesperada na entrevista. O homem havia conseguido fotografar o demônio voador na noite anterior ao incidente envolvendo o patrulheiro. Ele disse que nunca havia mostrado a fotografia, nem mesmo para os jornais pois não queria chamar a atenção ou criar mais repercussão.

Ele descreveu em que circunstâncias conseguiu tirar a fotografia com a câmera de um celular:

"Eu já havia ouvido o som das asas batendo e o som de lâmpadas nos postes sendo quebradas. Fiquei esperando na janela a noite inteira até que finalmente, por volta das quatro da madrugada ele desceu na rua. Era muito magro, com asas nas costas e chifres. Ele se movia com agilidade batendo aquelas asas enormes, como se fosse um morcego gigante. Mas parecia um homem e quando pousou na rua foi possível ver que era como um homem com braços e pernas".



Uma cópia da fotografia foi entregue a pedido de Ken Gehard com a condição de que o nome da testemunha fosse mantido em sigilo.

Casos como esse são incrivelmente difíceis de resolver e até mesmo de categorizar. Eles dependem principalmente da fonte que revela a história e da credulidade de quem a ouve. As poucas provas produzidas; os arranhões na viatura e a fotografia escura, infelizmente não provam muita coisa. Para os céticos, o relato do Oficial e da testemunha podem ser desqualificados como delírios ou mera invenção, ainda que provenientes de um policial com ótima folha de serviços e de uma testemunha que jamais desejou lucrar com a foto. 

O que podemos dizer com certeza é que esse não é o único relato de criaturas voadoras humanoides mundo afora. Pelo contrário, há muitos outros: O Man Bat (Homem Morcego) de Houston, o Owlman (Homem Coruja) da Inglaterra, a Mulher Voadora de Da Nang, no Vietnã e é claro, o Mothman (Homem Mariposa) se tornaram famosos. A existência dessas criaturas jamais foi comprovada, mas todo ano, eles continuam sendo vistos nos céus pelas mais variadas testemunhas. Será que todas elas estariam inventando essas histórias? 

Depois da noite fatídica não houve mais nenhum registro confiável sobre a criatura sobrevoando Colonia Valles de la Salla. Talvez os disparos feitos pelo policial tenham ferido mortalmente o demônio ou pelo menos o afastado de uma vez por todas.

O Oficial de Polícia Leonardo Samanedo deixou de ser patrulheiro, ele foi transferido para uma função de escritório, mas dois anos depois se afastou da corporação. Hoje ele trabalha no ramo de construção civil e não fala sobre o ocorrido.

7 comentários:

  1. Olá King!
    Ótimo artigo,como sempre.Realmente,existem coisas que provavelmente nunca descobririamos,afinal,a verdade nunca aparece inteira.
    Poderia pedir,para você adaptar Aliens e Predadores para CoC?Não encontro material razoavel,e não sou bom para adapta-los.E já que suas adaptações são sempre tão boas,poderia fazer isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aliens se não me engano já foram traduzidos sob o nome Xenomorfos. Vou dar uma procurada. Predadores no meu entender fazem parte de outra mitologia, mas não deve ser muito difícil adaptá-los.

      Excluir
  2. Bom post. Na minha opinião de merda isso é apenas mais um hoax.

    ResponderExcluir
  3. Pode ser que realmente tenha sido o que esse policial falou. O relato é assustador.

    ResponderExcluir
  4. Voce poderia me enviar o cenario e os hangouts de A fossa do diabo? Por favor. Luiz_valdes@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  5. Pessoal, é claro que o mais provável é que essa história não passe de um belo HOAX.

    Mas quem pode saber ao certo? Há coisas que não se explica como os arranhões no carro e os motivos que levariam um condecorado oficial a inventar algo tão inusitado. Quanto mais uma história que acabou com sua carreira até então brilhante. Fazer isso apenas com o intuito de "aparecer" me parece tão estranho que só no reino da patologia mental para encontrar explicação.

    No fim das contas, existem tantas coisas inexplicáveis que desafiam nossa noção de "normalidade". É algo que no fim nos faz pensar, "E se for verdade...", algo que por si só, é suficiente para causar terror.

    ResponderExcluir
  6. Uma duvida.

    Ele esvaziou a arma, mas não comentaram se alguma bala foi encontrada.

    Será que ele acertou a criatura?

    ResponderExcluir