quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

NPC: Arthur Conan Doyle - Autor, Médico e Espiritualista

O escocês Arthur Conan Doyle nasceu em 22 de Maio de 1859 em Picardy Place, Edinburgo, o filho de Charles Altamont Doyle, um funcionário público na câmara trabalhista de Edimburgo, e Mary (Foley) Doyle. Seu pai sofria de alcoolismo e epilepsia e foi institucionalizado. Ele veio a falecer em um asilo para mentalmente perturbados em 1893. A mãe de Doyle dirigia uma pensão.

Doyle foi educado em escolas jesuítas e mais tarde estudou na Universidade de Edimburgo, qualificando-se como médico em 1885. Após se graduar, Doyle praticou a medicina em uma pequena clínica sem obter grande sucesso profissional, nos momentos de tranquilidade enquanto esperava por clientes ele aproveitava seu tempo livre escrevendo.

A criatividade parece ser um dom de família: seu avô foi um famoso caricaturista e seu tio um conhecido ilustrador. O pai de Doyle era arquiteto e desenhista de livros. O próprio Doyle era um admirador de Edgar Allan Poe e Emile Gaboriau d equem ele copiava o estilo no início da carreira.

O primeiro texto significativo de Conan Doyle foi "A Study in Scarlet" que apresentava o personagem que o tornaria mundialmente conhecido: Sherlock Holmes.

Para criar o famoso detetive, Doyle se baseou no Doutor Joseph Bell, um cirurgião e professor com quem ele havia estudado na Universidade de Edimburgo. O Dr. Bell possuía a notável capacidade de revelar os sintomas de um paciente, diagnosticar sua doença e apontar as origens de suas aflições antes mesmo deles relatarem o motivo da consulta. A mente dedutiva de Bell e sua irrefutável capacidade de relacionar informações foram a base para a criação de Holmes.

A estória foi escrita em apenas três semanas e publicado em 1887. A segunda estória protagonizada por Holmes, "The Sign of Four", foi escrita para a Revista Lippincott, mas logo em seguida foi adquirido pela Strand Magazine que assinou um contrato de exclusividade com Doyle para a publicação de outros contos de sua autoria. Holmes logo se tornou um sucesso, o personagem lançou o nome de Doyle e o levou a desistir da medicina para se tornar escritor em tempo integral.

Por volta de 1893, Doyle começou a se cansar de Holmes e decidiu matá-lo em uma de suas aventuras. Na estória, Holmes e seu nêmesis, o Professor Moriarty despencam para a morte na Cachoeira de Reichenbach, Suiça. Doyle decidira matar Holmes, pois tensionava se dedicar a outros trabalhos mais sérios, em especial suas novelas históricas. Apesar de ter escrito alguns importantes trabalhos, o clamor popular levou Doyle a reconsider sua decisão e Holmes retornou dos mortos alguns anos mais tarde.

Em 1902, o apoio de Doyle ao Parlamento na questão da Guerra dos Boeres na Africa do Sul lhe valeu o título de Sir e uma participação ativa em questões de estado.

Doyle se envolveu com o movimento espitualista após as trágicas mortes de seus dois irmãos mais novos e sobrinhos, mortos nas trincheiras da Grande Guerra. Sofrendo de profunda depressão, ele buscou conforto na doutrina espiritualista e se converteu em um porta voz do chamado espiritualiso científico, vertente que pretenda provar cientificamente a autenticidade da mediunidade. Doyle escreveu um livro dedicado inteiramente ao tema "The History of Spiritualism" (1926) e passou a andar na companhia de conhecidas mediums e sensitivos, alguns apontados como charlatões e falsários. Doyle se tornou presidente de várias Instituições e Grupos de estudo de ocultismo e espiritualismo.

Sua devoção ao tema terminou por abalar a longa amizade que ele tinha com o famoso mágico Harry Houdini. Doyle acreditava no poder sobrenatural sem reservas, enquanto Houdini se especializou em desvendar falsários que usavam as crenças alheias para obter dinheiro. As críticas de Houdini aos médiuns sepultaram a amizade de vários anos entre os dois.

Em 1921, Doyle defendeu a autenticidade de fotografias que supostamente retratavam fadas e espíritos das florestas que apareciam para crianças. O caso conhecido como "The Cottinsgley Faeries" ganhou fama e a defesa aguerrida de Doyle arranhou sua credibiliadde. Anos mais tarde, as crianças envolvidas no caso reconheceriam a farsa.

Arthur Conan Doyle morreu em 1930, aos 71 anos de idade, vítima de um ataque cardíaco fulminante. Sua primeira esposa Louise Hawkins, com quem elee havia casado em 1884, havia falecido em 1906, e ele havia casado novamente em 1907.

Embora Conan Doyle seja lembrado como criador de Sherlock Holmes (personagem central em 56 estórias), sua carreira incluiu vários outros importantes trabalhos. "The Lost World" (que narra as aventuras de uma expedição perdida no planalto brasileiro) talvez seja seu trabalho de ficção mais conhecido. Doyle escreveu também peças, versos, memórias, contos e novelas históricas, sobrenaturais e de fição especulativa (a precursora da ficção científica)

Call of Cthulhu - Informações do Investigador

Nome: Arthur Ignatius Conan Doyle
Ocupação: Médico/Autor
Escolaridade: Universidade de Edimburgo, Escócia (Medicina)
Local de Nascimento: Edimburgo, Escócia
Idade: 61 anos (em 1920)
Desordens Mentais: Obsessão leve quanto a ocultismo/sobrenatural. Conan Doyle precisa pesquisar e saber a respeito do tema.

Episódios de Insanidade: Nenhum


STR 11
DEX 10
INT 17 (IDEA 85%)
CON 12
APP 11
POW 14 (LUCK 70%)
SIZ 12
EDU 21 (KNOW 99%)

Damage Bonus: None
Pontos de Sanidade: 70%

Habilidades: Anthropology 25%, Archaeology 20%, Art (Writing) 77%, Bargain 30%, Chemistry 42%, Credit Rating 68%, Cricket 56%, First Aid 57%, Geology 32%, History 73%, Library Use 69%, Medicine 59%, Natural History 51%, Occult 68%, Ofalmologia 66%, Persuade 41%, Psychology 43%, Pharmacy 38%, Spot Hidden 45%, Folclore das Ilhas Britânicas 52%

Línguas e idiomas: German 33%, French 24%, Latin 63%

Armas de Fogo: Handgun 30%, .32 revolver

Utilizando Conan Doyle em Call of Cthulhu - Arthur Conan Doyle é uma autoridade a respeito de ocultismo, espiritualismo e folclore britãnico. Pode-se dizer que na década de 20, eles era um dos mais famosos escritores ingleses, ao menos o mais popular, graças às estórias envolvendo Holmes.

Apesar de sua fama, Doyle era um homem extremamente acessível. Seu círculo de amizades incluía intelectuais, políticos e artistas. Ele costumava receber colegas e conhecidos em sua casa em Crowborough para animados debates. Seus temas favoritos versavam obviamente sobre mistérios, história antiga, folclore e espiritualismo.

Arthur Conan Doyle é um contato valioso para investigadores em busca de conhecimento oculto. Doyle possuía uma mente aberta para teorias e idéias controversas, de modo que estaria propenso a acreditar até mesmo na existência de criaturas e entidades dos Mitos de Cthulhu desde que com alguma prova.

Nenhum comentário:

Postar um comentário