segunda-feira, 6 de julho de 2015

O Incorruptível Corpo em Isleta Pueblo


Todas as coisas vivas um dia morrem.

Mórbido como pode parecer, essa frase não tem nada de estranho ou errado. Essa é uma parte inevitável de um ciclo natural. Nós nascemos, gradualmente envelhecemos, morremos e nossos restos se tornam poeira a medida que desaparecem.

Algumas culturas antigas não temem a morte, pois dizem com muita propriedade que "a morte é a única certeza da vida" ou que "cada minuto de vida, leva mais perto da morte". Para alguns esses pensamentos servem como lembrança de nossa transitoriedade nesse mundo e estimulam as pessoas a viver cada segundo como se fosse o último.

Entretanto, existem casos misteriosos que desafiam, ao menos em parte, esse ciclo implacável de morte e corrupção.


Um duradouro enigma em algumas partes do mundo diz respeito ao inexplicável fenômeno de cadáveres que simplesmente se recusam a apodrecer e se decompor. Estes permanecem intactos por anos e anos após a morte da pessoa. As Igrejas Católica e a Ortodoxa se referem a esses restos humanos como "Corpos Incorruptíveis" (Incorruptibilium), e acreditam que eles resistem às depredações do tempo em face de sua santidade ou da intercessão divina. De fato, tal predicado é considerado como um importante fator para a beatificação e a ascenção de um indivíduo à santidade. Não apenas os cadáveres, mas também os objetos enterrados com eles resistem de modo prístino a passagem do tempo, sendo vistos como relíquias divinas, permanecendo em perfeitas condições livres de degradação, sujeira e até mesmo poeira. 

 Há uma clara distinção entre o estado de incorruptibilidade e mumificação, embalsamamento ou qualquer outra forma de preservação criada pelo homem. Cadáveres embalsamados podem se manter preservados por muito tempo após a morte, mas os métodos utilizados envolvem manipulação e a aplicação de compostos químicos. A preservação artificial deixa marcas óbvias: palidez, rigor e outros indicativos visuais e olfativos que podem ser facilmente percebidos. Já os corpos incorruptíveis permanecem imaculados, idênticos a como eram quando vivos. Eles possuem a mesma flexibilidade, o mesmo rubor e em muitos casos não possuem sequer o característico odor da decomposição. Algumas pessoas acreditam que esse grau de preservação sópode ser resultado direto de forças sobrenaturais. Seja qual for a causa desse mistério, corpos preservados tem deixado as pessoas perplexas há séculos.


Um dos mais interessante casos de preservação conhecidos ocorreu na Igreja de Isleta Pueblo, no etsado do Novo México. O santuário foi construído originalmente no ano de 1613, e é uma das mais antigas igrejas dos Estados Unidos. A estória se inicia em meados de 1700 com um frei missionário chamado Juan Jose de Padilla que foi enviado para o território do Novo México para erguer uma missão. Padre Padilla era um homem muito simples e admirado pelos paroquianos. Durante uma viagem a uma fazenda ele foi atacado por bandoleiros, esfaqueado e abandonado para morrer na estrada. Seu corpo foi recuperado e levado para Isleta Pueblo, onde foi enterrado sob o altar principal da igreja em 1756. Padre Padilla ficou pacificamente sepultado ali até um incidente 19 anos mais tarde. Durante uma missa, o piso da igreja, junto com o altar, começou a ruir e desmoronar sem razão aparente, acompanhado de estranhos ruídos vindos de baixo. As pessoas presentes não conseguiam entender o que estava acontecendo, até que o corpo de Padre Padilla, surpreendentemente brotou do chão consagrado.      

Quando os surpresos paroquianos e sacerdotes examinaram o cadáver, eles se surpreenderam ao descobrir que se tratava do Padre Padilla. Alguns que o haviam conhecido em vida se espantaram ao perceber que ele estava igual ao dia em que morreu. O corpo estava flexível, corado e segundo testemunhas quente ao toque. Mesmo os trajes estavam perfeitamente limpos e intactos. Para todos os efeitos, ele parecia estar vivo. Confuso com o que encontrou, o sacerdote pediu a presença de autoridades clericais para examinar o cadáver. Estes vieram imediatamente, mas não conseguiram encontrar uma explicação racional para aqueles restos extraordinariamente bem preservados. Na falta de uma explicação concreta, a igreja decidiu reenterrar o corpo, dessa vez vestindo Padre Padilla como um monge e concedendo a ele um sepultamento franciscano. Alguns acreditavam que o Padre havia retornado como protesto por ter sido enterrado sem que as formalidades de sua ordem fossem atendidas. O novo enterro iria evitar novos incidentes. Mas não funcionou!

Padre Anton Docher
Em 1819, o caixão de Padre Padilla emergiu do piso onde havia sido enterrado pela segunda vez. Novamente por intermédio de um fenômeno inexplicável que fez tudo vir a superfície de maneira repentina. Embora tivessem se passado 44 anos desde o primeiro incidente, o cadáver de Padre Padilla continuava imaculado. Nem ele e nem suas humildes roupas monásticas haviam se degradado. Os restos foram examinados uma vez mais e nenhuma explicação foi obtida. O corpo foi então depositado em um caixão de vidro e deixado em exposição para os fiéis por alguns anos. Para qualquer um que visse o corpo, parecia que ele estava simplemsente tirando uma soneca.      

Com tanto tempo tendo se passado desde a morte de Padre Padilla, e sem apresentar qualquer sinal de ter sido artificialmente preservado, a igreja o proclamou como incorruptível. Além das condições perfeitas, era surpreendente que do cadáver frequentemente emanava um perfume de flores, de orvalho ou de terra molhada. Em 1875, a igreja declarou que o estado do cadáver era um milagre e Isleta Pueblo se converteu em destino de perigrinação. Alguns acreditavam que tocar as vestes do padre tinha efeitos curativos.   

Nas décadas seguintes testemunhas relataram ter visto o fantasma de Padre Padilla rondando as dependências da igreja. Alguns disseram ter visto a figura vagando pelo jardim e pelo cemitério ao lado do templo. 134 anos depois do primeiro incidente, o franciscano francês Padre Anton Docher que cuidava da igreja, relatou ouvir batidas vindas do subsolo de Isleta Pueblo. O som persistente dos estrondos era tão incômodo que não o deixava dormir. Seguindo o ruído ele descobriu que este vinha do porão que fora coberto com tábuas de madeira. Os estranhos sons eram tão claros que ele decidiu chamar alguns homens para arrebentar as tábuas e escavar no lugar. Diz a lenda que durante os trabalhos, os homens localizaram várias ossadas desconhecidas, possivelmente pertencentes a um cemitério indígena que havia existido ali muito antes da construção da Igreja. Ainda segundo a lenda, a descoberta macabra desencadeou uma série de incidentes inexplicáveis e diabólicos. Passos eram ouvidos quando não havia ninguém, vozes, coisas se quebravam e incêndios começavam do nada.

Para piorar, Padre Docher e os operários envolvidos na escavação contraíram uma doença que lhes causou uma estranha gangrena e alucinações. Docher teria se curado depois de vivenciar um sonho no qual Padre Padilla lhe ensinou uma oração para exorcisar o templo da presença de espíritos malignos. Depois de liberar o templo, Docher e os homens se curaram miraculosamente.

A estória foi colhida pelo escritor John Nester, autor de livros sobre parapsicologia que nos anos 1920 tratou o fenômeno de Isleta Pueblo como um caso impressinante de atividade espiritual - mais tarde, o fenômeno foi reconhecido como um legítimo poltergeist

Docher, um nativo e John Nester
O fransciscano viveu até os 78 anos, e quando faleceu em 1928, foi enterrado na Igreja. Os restos de Padre Padilla foram depositados novamente no piso da Igreja que passou por uma reforma completa. Em 1969, o piso foi quebrado e um grupo de clérigos examinou a cripta atestando que não apenas o corpo de Padilla, mas também o de Docher estavam perfeitamente preservados. Não foram permitidos exames subsequentes nos restos ou a presença de testemunhas para corroborar o fato.

Alguns supersticiosos acreditam em uma curiosa Profecia que começou a se disseminar em meados da década de 1940. Segundo estes, se um dia o corpo incorruptível sepultado em Isleta Pueblo se deteriorar, o acontecimento marcará o nascimento do Anticristo e o início de seu reinado sobre a Terra. Aqueles que defendem a profecia acreditam que Padre Padilla em vida foi um Homem Santo, acometido por visões e premonições muitas delas incompreensíveis para um homem de sua época. Ele teria deixado documentos registrando suas visões a respeito dos dias negros da humanidade, as guerras mundiais, terremotos e tragédias. As passagens mais significativas falariam da vinda de um Inimigo de Deus. Apesar dos rumores, tais documentos jamais foram vistos e sua existência é altamente contestada.

Finalmente, há boatos de que autoridades eclesiásticas realizam visitas a Isleta Puebla em busca de qualquer sinal visível de deterioração no corpo. A cada década os cadáveres incorruptíveis seriam exumados: os trajes verificados e tudo passaria por um cuidadoso escrutínio. Em 2006, circularam boatos de que as autoridades descobriram sinais de deterioração, mas que tudo foi devidamente abafado para não causar comossão.

A Igreja nega veementemente essas estórias, mas desde 1928 o corpo de Padre Padilla não é visto publicamente.

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Sad Satan - Jogo da deep web assusta e confunde usuários


Baseado nos artigos de Dave Gonzales (geek.com), Bernie Kriegstein (Reddit), Frank Dalmonte (Horror Weekend) e Patricia Hernandez (Kotaku)

Scoop de Luiz Felipe Vasques

A internet é um lugar vasto e desconhecido.

Os lugares onde nós interagimos diariamente são apenas uma pequena porção daquilo que está flutuando por aí. A web pode ir muito mais fundo, e a medida que você mergulha em suas profundezas abissais ela se torna cada vez mais escura.

Esta é uma daquelas estórias de internet que não tem uma solução. Tudo indica que ela não passe de mais uma daquelas bizarrices que escondem referências esperando alguem ter tempo e paciência para destrinchar e decifrar. Com um pouco de sorte (ou azar) ela se espalha e se torna viral.

A assim chamada "Deep Web" (Internet Profunda) é a internet que não está acessível através dos métodos de busca convencionais: escondida em diretórios confusos ou camuflada em canais de mídia social quase insacessíveis. Ela congrega tudo que está fora dos bancos de dados convencionais: servidores protegidos por senhas de segurança, websites e fóruns restritos onde acontece de tudo um pouco (ao menos dizem as lendas!) Compartilhamento de material proibido? Sim! Imagens e Filmes clandestinos sem censura? Com certeza! Material que normalmente jamais seria exibido? Pode apostar!

A Deep Web é o equivalente a uma terra sem lei, na qual tudo é permitido e onde tudo pode ser conseguido, desde que a pessoa conheça os caminhos, utilize os atalhos e evite as muitas armadilhas. As lendas contadas por quem acessou esse território selvagem relatam coisas medonhas proibidas na web: sites de pedofilia, sexo hardcore, escravidão, snuff movies, assassinos oferecendo seus serviços, endereços de clubes privados devotados ao canibalismo e outras coisas imensamente perturbadoras que é melhor nem falar a respeito.

Mas muito se fala a respeito e pouco se sabe. A despeito de coisas como a página Silk Road que negociava drogas através da deep web, a maior parte das coisas contidas ali não passa de lixo. Isso e muitas armadilhas para destruir o sistema e instalar virus nos visitantes desavisados. Vez por outra, entretanto, surge algo nos recessos da deep web que chama a atenção por ser especialmente bizarro. Essas coisas acabam escapando da aura de segredo que envolve a internet proibida e se convertem em lendas urbanas compartilhadas aqui e ali... Sad Satan é exatamente isso.



O site geek.com publicou recentemente um artigo a respeito do jogo Sad Satan (Satã Triste), um estranho jogo independente, com direito a videos e imagens. O resultado é algo... perturbador. Não que ele cause qualquer sensação além de estranheza, mas tem algo mais ali. Não sei explicar, é grotesco e muito sinistro em sua simplicidade... o tipo da coisa que você assiste sem muita convicção de que deveria fazê-lo e que se arrepende depois de uns instantes. Mesmo assim, continua vendo para saber onde vai terminar.

Quando um amigo enviou o link da postagem eu abri no trabalho e logo uns colegas cercaram minha mesa perguntando o que diabos eu estava asistindo. Expliquei por alto e um dos meus amigos já levantou decidido a ir embora, reclamando da vez em que passamos o "Squiddy Suicide" e ele detestou. Os demais, no entanto, quiseram saber mais e nesse espírito começamos a assistir os vídeos.

Mas antes, que tal mais alguns detalhes:

Segundo o site que publicou a estória, Jamie o dono de um canal chamado Obscure Horror Corner recebeu de um dos seus assinantes o link para acessar o tal jogo Sad Satan. Ele avisou que este poderia ser acessado apenas via deep web. Segundo Jamie, "encontrar o jogo foi complicado, os arquivos são todos codificados e você não tem certeza se já entrou até ele começar". Ainda segundo Jamie, o assinante que lhe enviou o link, um tal ZK o advertiu para ter cuidado com o jogo:

"É algo hipnótico... você se sente estranho jogando esse negócio. O tempo passa e você fica ali olhando e nada acontece... mas você se sente esquisito. Não dá para explicar!" escreveu ZK.

Jamie conhece bem a deep web, ele costumava explorar seus recessos em busca de materialpara seu canal. Sabendo que é melhor se precaver, ele fez o download do arquivo e rodou uma checagem de mallware para ver se não havia risco. Estranhamente o jogo não tinha nenhum programa hostil, algo raro nas trincheiras virtuais da deep web. Ele testou mais duas vezes e nada. Quando o jogo começou a rodar, Jamie deu início a gravação para exibir no seu canal do You-Tube.

Nas palavras de Jamie o jogo é uma daquelas coisas criadas para ferrar com a sua percepção (me vêm a mente o termo "mindfuck"). Não me entenda mal, nada acontece, mas você sente uma vibe negativa como se aquilo não fosse um passatempo sadio. 

Aqui vai a primeira parte: 



Boa parte do jogo se resume a isso, o jogador anda em um corredor escuro, parecido com um labirinto tendo como trilha sonora nada além dos seus passos. Apenas ocasionalmente o visual é alterado e interrompido por um flash momentâneo ou por uma fotografia esquisita.

Lá pelas tantas, o clima beira a monotonia, mas então surgem algumas luzes e a medida que se aproxima delas um som de estática acompanhado do que parece ser uma trilha de diálogo é ouvida. A voz vai se tornando um gorgolejar. O jogador continua andando, já que essa é a única coisa que se pode fazer. Eventualmente o corredor se abre em uma área mais confusa com uma linha amarela pintada no chão, como uma faixa de trânsito,

Os padrões de imagem se confundem e mudam novamente para algo preto e branco, parecendo o negativo de uma fotografia. O gorgolejo se torna um rosnado esquisito e o jogo parece estar preso, até que, finalmente uma fotografia em preto e branco surge repentinamente, ficando ali por dois segundos, antes de sumir.



A imagem mostra um sujeito no alto de uma escadaria ornamentada por várias galhadas de cervo nas paredes. No fundo da imagem, uma dessas galhadas repousa perfeitamente sobre a cabeça do sujeito quase como se os chifres se projetassem da cabeça. O efeito é no mínimo estranho.


Segundo rumores, a imagem é uma fotografia de Knopiste, uma cabana de caça localizada na República Tcheca. Este lugar era usado pelo Arquiduque Franz Ferdinand, o último governante do Império Austro-Húngaro, um ávido caçador cujo assassinato em 1914 deflagrou a Primeira Grande Guerra. O homem fotografado seria Franz Joseph, o nono Príncipe de Thurn, um amigo íntimo do Imperador que lutou em ambas as Guerras Mundiais ao lado dos Alemães e morreu na década de 1970. Essa fotografia supostamente foi usada pelos seus desafetos como uma prova de seu interesse em ocultismo e feitiçaria, algo que jamais foi provado. Joseph negava que o efeito dos chifres tivesse sido proposital.

Quando a imagem desaparece, o jogador retorna ao maldito corredor onde se vê obrigado a continuar andando.  Mais adiante, surge uma segunda imagem, tão inesperadamente quanto a primeira:




A fotografia é de Jimmy Savile ao lado da Primeira Ministra Margaret Thatcher promovendo um evento da National Society for the Prevention of Cruelty to Children (NSPCC - algo que pode ser traduzido como Sociedade Nacional de Prevenção a Crueldade contra Crianças). A foto é incrivelmente irônica uma vez que Savile foi acusado de inúmeros estupros e de atentado grave ao pudor. Em 2011 ele foi processado por 216 crimes de natureza sexual, praticados entre os anos de 1955 e 2009, chegou a ser preso mas morreu logo em seguida. O sujeito era tão famoso na Grã-Bretanha apresnetando programas de auditório, que muitos não conseguiam acreditar no seu envolvimento nesses crimes, apesar das centenas de acusações.

Não está claro qual o significado essa fotografia, mas da mesma maneira que a primeira, ela desaparece poucos segundos depois.   

Alguns dias depois dessa primeira parte, Jamie postou o segundo vídeo sobre suas experiências jogando Sad Satan:


Segundo Jamie essa segunda parte é ainda mais bizarra, com uma fotografia do ex-presidente americano John Fitzgerald Kenedy tirada poucos minutos antes dele ser assassinado em 1963. Não demora muito, aparece uma segunda foto, a famosa imagem do “Sabbatic Goat” (Cabra do Sabá) desenhada por Eliphas Levi para representar Baphomet.

Há também alguns diálogos confusos sendo proferidos de trás para frente, bem como propagandas de estações de rádio servindo com uma mistura de áudio atmosférico. Esquisito realmente, mas não especialmente bizarro...

Mas é claro, o pior ainda está por vir.



O trecho mais bizarro dessa segunda parte é que na metade do vídeo podemos discernir formas de crianças que também parecem presas no labirinto. Essas crianças não interagem com o jogador, apenas ficam paradas observando ou andando à esmo pelos corredores em preto e branco.


Jamie chamou a atenção para o fato dessas "crianças" serem diferentes contando com características físicas borradas, mas ainda assim capazes de serem discernidas umas das outras. Segundo ele, há pelo menos oito dessas figuras sinistras ao longo desse trecho do jogo.

Ocasionalmente uma tela branca surge como um flash em lugares randômicos. Cada vez que essa tela aparece é possível ver trechos escritos usando a fonte wingdings. Um usuário do Reddit conseguiu decifrar esses símbolos que resultaram nas seguintes combinações de palavras/frases:

S2FZnyO

De cima para baixo temos as seguintes frases/palavras: "Eu posso rastrear você", "Boa sorte", "Você está sozinho", "Enterrado", "Mate, Mate e Mate novamente", "Você está na minha lista", "5 vítima", "Salve 666" "Pessoas Tristes Morrem".

Jamie jogou Sad Satan por tempo suficiente para conhecer os caminhos e depois gravar as sessões nos vídeos que acompanham essa postagem. Jamie contou que acabou apagando o jogo por achar que ele não levaria mais a lugar algum. Ele escreveu logo após fazer o upload do segundo trecho:

"É uma sensação estranha jogar essa coisa. Assistir apenas, não é nem metade do que senti jogando. Eu apenas andava de um lado para o outro na tela e o personagem parecia ser teleportado para diferentes lugares. Nada acontecia, mas mesmo assim eu sentia uma sensação estranha e enervante. Eu não acho que o jogo tenha terminado ou que ele tenha simplesmente travado, mesmo assim decidi apagar do meu computador".

Jamie contou que quando postou as duas primeiras partes do vídeo em seu canal, esperava que alguém conseguisse dar mais informações a respeito dele e de seu propósito. Será que o programador simplesmente não havia terminado o jogo? Ou ele havia atingido um beco sem saída?

Passaram-se dois meses até que Jamie decidiu tentar novamente. 

"Eu estava curioso. Não estava particularmente ansioso para voltar a jogar, mas imaginei que a coisa havia ficado pela metade. De certa forma eu queria entender o jogo", ele escreveu.

Demorou algumas semanas para que ele conseguisse ganhar acesso ao jogo. O método de entrada e a senha de ZK. haviam expirado e o jogo não reconhecia as tentativas de Jamie de entrar no sistema e jogar novamente. Parecia que Sad Satan não o deixaria brincar novamente, pois a cada tentativa um malware o repelia.

Mas foi então que algo curioso aconteceu: Um dos leitores do canal enviou um novo link de acesso para jogar. Ele não escreveu nada na mensagem, simplesmente passou o link adiante e assinou de maneira criptica: "Boa Sorte" (vai precisar)"

Quando jogou novamente, Jamie conseguiu passar do ponto em que havia parado originalmente e gravou a terceira parte vista abaixo:



Este terceiro vídeo se assemelha aos demais, mas inclui um monólogo famoso gravado na Prisão de San Quentin em 1980, com a voz do assassino Charles Manson concedendo uma entrevista a rede de televisão NBC.

O jogador é forçado a ouvir um trecho realmente longo dos devaneios egocêntricos de Charles Manson, o assassino hippie que comandou um grupo de jovens a praticar chacinas na Califórnia em 1969. Manson, o líder da Família coordenou uma série de ataques a mansões, pretendendo com isso dar início a uma Guerra Racial entre Brancos e Negros, desencadeando o Helter Skelter, que anteciparia o Fim do Mundo. 

Uma frase chave em determinado momento começa a se repetir sem parar:  "If I started murdering people, there’d be none of you left". (“Se eu começasse a matar as pessoas, não restaria nenhum de vocês").



Mais adiante uma lanterna aparece na tela e as palavras "Suffering Doesn't End" (O Sofrimento não tem Fim) aparece na tela. 

"Além desse ponto as coisas ficam ainda mais esquisitas", escreveu Jamie. Além do monólogo de Charles Manson e dos trechos sob a lanterna o som vai se tornando mais distorcido e é possível identificar que há vários trechos curtos tocados de trás para frente.

Esse era um truque muito comum nos antigos discos em vinil, no qual supostas mensagens secretas eram inseridas nas músicas e só podiam ser ouvidas quando o disco era tocado de trás para frente. Uma das músicas mais famosas por alegadamente conter mensagens satânicas ocultas na faixa é "Stairway to Heaven" do Led Zeppelin. 

Ouvida da forma normal, o trecho diz o seguinte:

"If there’s a bustle in your hedgerow, don’t be alarmed now, it’s just a spring clean for the May queen. Yes there are two paths you can go by, but in the long run there’s still time to change the road you’re on."

[Traduzido como: "Se há alvoroço em sua horta, não fique assustada. É apenas limpeza de primavera da Rainha de Maio. Sim, há dois caminhos que você pode seguir, mas na longa estrada, há sempre tempo de mudar o caminho que você segue".]

Na época do lançamento, as pessoas tocavam esse trecho de trás para frente e segundo alguns obtinha-se a seguinte mensagem:

"Oh here’s to my sweet Satan. The one whose little path would make me sad, whose power is satan. He’ll give those with him 666, there was a little toolshed where he made us suffer, sad Satan."

[Oh aqui está para meu doce Satã. Aquele cujo pequeno caminho irá me deixar triste, cujo poder é Satã. Ele irá dar para aqueles com ele 666, há um pequeno depósito onde ele nos faz sofrer, triste Satã".]

Aqui estão os trechos:



Não parece fazer o menor sentido, mas na década de 1970, quando Stairway to Heaven foi lançado e se tornou um grande sucesso, o trecho causou muita controvérsia. É claro, o fato de Jimmy Page, um dos membros da banda britânica se identificar como ocultista serviu para inflamar ainda mais as suposições. Page chegou a comprar a Mansão de Boleskine que pertenceu ao notório místico Aleister Crowley e lá supostamente realizou uma tentativa de invocar seu espírito.

Seria isso apenas uma coincidência ou o título Sad Satan (Triste Satã) tem algum significado na conclusão do jogo?

Seja qual for a resposta, Jamie decidiu apagar o jogo depois de atingir esse novo beco sem saída: 

"Não há como passar desse estágio, a imagem simplesmente fica estática e não há o que fazer... eu já tentei de tudo e não há solução. Eu imagino que deve ser um defeito no jogo, mas não sei ao certo", disse ele alguns dias depois de publicar o terceiro vídeo em seu canal.

Jamie acredita, no enatnto, que o responsável pelo jogo (seja lá quem for) deverá em breve arrumar o problema permitindo assim continuar o jogo. Mesmo assim ele deixou claro que não quer mais jogar Sad Satan: 

"Eu perdi a vontade de jogar essa coisa. Totalmente! É algo desagradável. Quando joguei, queria chegar ao fim e ver o que acontecia, mas o jogo não faz bem... pode parecer bobagem, mas eu me senti incomodado enquanto jogava e não gostei nada da experiência. É algo enervante... Não recomendo a ninguém fazê-lo".

Os boatos a respeito de Sad Satan se espalharam rapidamente depois da terceira parte do vídeo ter sido publicada. Supostamente uma quarta parte teria sido colocada no ar, com progressos feitos por um outro jogador. O vídeo de baixa qualidade teria sido removido por conter elementos bizarros excessivamente perturbadores. 

Como não poderia deixar de ser, algumas pessoas parecem interessadas em criar toda uma Lenda Urbana ao redor do jogo "Sad Satan". O rumor mais recente é que o trecho final é tão tenebroso que motivou o massacre em uma Igreja na cidade americana de Charleston, no qual nove pessoas (todos afroamericanos) foram assassinadas. O matador, um extremista branco chamado Dylann Roof foi capturado logo após o tiroteio. Ele teria agido sob algum tipo de influência diabólica contida nas imagens da sequência final do jogo que ele assistiu dias antes da tragédia.

Provavelmente tudo isso não passa de um boato infundado, mas em se tratando de deep web, está longe de ser o mais estranho já ouvido...

quarta-feira, 1 de julho de 2015

True Detective Recap - Episode 2 - "Night Finds You"




















E aqui vai o recap do segundo episódio de True Detective, que tem o título "Night Finds You" (A Noite encontra você).

Como sempre teremos uma enorme dose de SPOILERS, sendo assim, para quem não assistiu talvez seja melhor ler isso mais tarde. De qualquer maneira, esteja avisado que teremos:


Que tal irmos direto ao que importa?

Quem assistiu o episódio sabe qual foi o ponto alto então vou começar pelo final: Que diabo de cena final foi essa?

Eu nem percebi o que ia acontecer e quem disser que imaginou que esse seria o final do episódio dois está inventando. Quer dizer, Ray Velcoro leva não apenas um, mas dois tiros de uma espingarda 12 à queima roupa. Diante de tudo isso, não dá para imaginar que o cara tenha sobrevivido, ou será que dá?

A pista não parecia ser nada de mais. O detetive Velcoro estava investigando uma casa usado como lugar de encontros por  Ben Caspere, com direito a câmeras atrás de espelhos, cama redonda e máscaras de animais na parede. Nós já havíamos visto uma casa semelhante no episódio anterior e sabíamos que o funcionário corrupto era sexualmente... ousado.

Até aí tudo bem, Ray vasculha o lugar enquanto um rádio ligado num volume absurdo berra para as paredes vazias. O título da música, "I pity the fool" (Eu tenho pena do idiota!) parece um aviso de que algo ruim está para acontecer. Ele abre uma porta, abre outra e nisso, um vulto escuro passa por trás dele. Até aí, parecia apenas que Ray teria de descer a mão em algum suspeito, mas então: Surpresa!


A figura aparece atrás dele, usando a máscara de corvo que supostramente pertence ao assassino de Caspere. Pior ainda, o sujeito está com uma espingarda. Antes da gente poder respirar: BOOOM! Velcoro voa com o tiro e cai no chão. O assassino recarrega e se aproxima, aponta para a barriga do detetive inerte e BOOOOOM! Outro balaço. Vemos a entrada da casa, a câmera se afasta lentamente... fim.


Que diabo de final de episódio é esse?

O que se pode imaginar é que Ray Velcoro, um dos personagens centrais nessa segunda temporada está morto. Isso a não ser que o assassino tenha usado uma arma carregada com munição não-letal ou sal grosso. Mas revendo a cena, tudo indica que não é o caso. Mas se Velcoro dançou, o que isso significa para a investigação e para a série?

Os espertos de plantão devem ter corrido no IMDB e já sabem que Colin Farrel, o ator que interpreta o detetive que estávamos aprendendo a gostar, foi contratado para a temporada inteira e que ele tem participação nos oito episódios. Isso quer dizer então que ele não morreu? perguntariam os esparançosos. Teria ele sobrevivido ao atentado? Ele estaria vestindo um colete à prova de balas? Será que o restante da temporada veremos Velcoro apenas em flashback? Ou quem sabe numa cama de hospital?

Nessa altura do campeonato não tem como dizer. Existem penas duas certezas: O próximo episódio será imperdível - até para saber o que raios aconteceu. A outra é que em True Detective ninguém está à salvo nem mesmo os protagonistas.

Desde o início do episódio, os sinais estavam lá. Nas primeiras cenas Ray já havia deixado claro que "aceita os julgamentos". O que nem ele, e muito menos nós, podíamos esperar é que o julgamento viria tão cedo. O segundo episódio já havia confirmado o que foi sugerido antes: que Ray de fato usou a informação dada por Frank para achar e matar o homem que havia estuprado sua esposa anos atrás. Houve ainda mais uma cena deprimente no bar onde Velcoro e Frank se encontram. Lá o detetive deixa implícito que contemplava o suicídio como uma opção válida, afirmação corroborada para a garçonete (com uma baita cicatriz na face!), quando ele diz que "a única maneira dele conseguir tirar férias será depois de morto". 

Essa cena final carregada de surpresa deu nova vida a um episódio que comparativamente ao primeiro, teve um desenvolvimento bem mais lento. Não que tenha até então ele fosse um desapontamento, mas obviamente o ritmo estabelecido na estréia diminuiu.


Mas que tal falarmos do início do episódio? Logo na primeira cena temos Frank deitado na cama com a sua mulher, Jordan, dicutindo o surgimento de uma estranha mancha no teto do quarto de casal. A imagem faz com que Frank tenha um deja vu de sua infância, quando ele vivia em Chicago sob a tutela de seu pai que "gostava de sair para beber" e quando o fazia "trancava o pequeno Frank no porão da casa". A medida que Frank vai relatando a mórbida estória de quando seu velho o "esqueceu" no porão e ele teve que lidar com a fome e a presença de roedores, a gente experimenta uma agonia quase paupável.

A cena dura três ou quatro minutos, um monólogo longo mas que acrescenta muitas facetas à personalidade do gangster que nesse episódio desponta como o fio condutor da trama. Se alguém tinha ainda algum resquício de desconfiança de que Vince Vaugn - um ator marcado pelos papéis de bobão em comédias idiotas, era a melhor opção para uma série dramática como True Detective, essa cena serviu para mostrar que ele está muito à vontade. Enquanto ele usa metáforas a respeito de um mundo falso feito de papel maché e as lembranças de um garotinho apavorado num porão infestado de ratos, fica a sensação de ouvirmos novamente um dos monólogos niilistas de Matthew McConaughey em seus momentos mais abrasivos.

A cena termina de maneira muito eficiente com as manchas no teto sobrepostas às órbitas vazias dos olhos de Ben Caspere. 


O cadáver foi levado para o consultório do legista que já fez alguns testes preliminares. O cadáver foi dopado, pendurado provavelmente de cabeça para baixo, os olhos foram queimados com ácido e os genitais foram removidos com um disparo de espingarda (ouch!). Temos até uma imagem rápida e medonha do sujeito transformado em um boneco Ken.

A cena seguinte, na qual os três detetives Paul, Ani e Ray se organizam é meramente procedimental. Nela, temos os superiores dos três decidindo quem vai ficar á frente da investigação, já que é um crime com confusão de jurisdição. Teoricamente, os trê sdetetives estão do memso lado, tentando descobrir quem teria praticado essa atrocidade, mas logo fica claro quecada um deles precisa obedecer a uma agenda mais importante e às ordens de seus superiores. Num primeiro momento, Paul é colocado de lado, dando mais espaço para Ani e Ray interagirem em viagens de carro nas quais Ani tenta discutir o caso mas é cortada à todo momento por Velcoro interessado em falar de outras coisas - como sua opinião gabaritada a respeito de cigarros eletrônicos. Há espaço de sobra também para uma discussão sobre as diferenças sexuais entre detetives e homens e mulheres, na qual Ani deixa claro que não leva desaforo de ninguém para casa.


Melhor do que essa sequência é outro encontro entre Ray e Frank, no qual fica claro que o indivíduo mais comprometido com a investigação não são os detetives, mas o gangster. Caspere antes de morrer deu um bruta desfalque nas finanças de Frank e ele precisa correr contra o tempo para recuperar seus investimentos. Ao longo do episódio vemos Frank fazendo o trabalho sujo, algo bem distante do jogo de bajulação e conversa fiada em que ele estava metido durante a festa de apresnetação de seu projeto. Minha teoria é que Frank, na melhor tradição do bandido que tenta se regenerar e legalizar seus negócios, terá de encarar a possibilidade de voltar ao mundo do crime para reaver o que é seu. Se alguéme stá fazendo o papel de detetive nesse primeiro momento é ele, sozinho, ele consegue descobrir mais do que os outros departamentos.

O que nos leva a Paul que fica meio alheio ao procedimento investigativo, quase como um peixe fora d´água. O negócio dele é andar de moto pelas estradas e ele muito a contra gosto aceita assumir um papel na investigação, apenas diante da possibiliadde de posteriormente voltar a atuar como patrulheiro. 

Um tanto quanto desinteressado do caso, Paul acaba brigando com a namorada e vai em seguida visitar a mãe. O que nos leva a mais uma sequência que parece ter sido extraída de um pesadelo edipiano. Enquanto conversa com a mãe (aquilo era um herpes na boca dela?), ele tenta evitar qualquer contato com ela, embora a mulher não canse de tentar encostar nele de maneira quase compulsiva. Ela também menciona duas vezes que ele pode ficar no seu antigo quarto o que faz ele reagir imediatamente no sentido de dar o fora dali. A cena inteira parece propositalmente desagradável e o personagem fica absolutamente incomodado. Desde o início ficou claro que Paul tem algum problema sexual, algo sobre o qual ele não quer falar e que pode ter ligação direta com seus dias trabalhando para a Companhia Black Mountain, mas também é possível que sua personalidade e sua disfunção tenha origem na sua relação com a mãe. Incesto? Pode muito bem ser uma possibilidade...


Mas há algo mais... desde o início, o comportamento do patrulheiro sinaliza que ele é um homesexual enrustido que não apenas vive, mas se tranca no armário. A disfunção (tratada com uma inconfundível pílula azul) e a expressão de descontentamento diante das investidas da namorada deixaram claro que há algo no ar. Logo no início do episódio dois ele conta uma anedota para o parceiro de Velcoro sobre um "veado" que se atira em cima dele e mais tarde percebemos os olhares de curiosidade que ele lança para um rapaz que aborda motoristas na estrada. Não houve nada direto, mas os indícios apontam na direção de que os problemas de Paul estão no reino da auto-rejeição.

Enquanto isso, temos a melhor cena de Velcoro - excetuando a última, na qual ele encontra a ex-esposa e tem uma daquelas horríveis conversas na qual ela ameaça afastar o filho dele. Colin farrel alterna momentos de raiva borbulhante ("Eu vou queimar essa porar de cidade até o chão antes de você me afastar dele") e de angústia (quando ela ameaça exigir um exame de paternidade). O sujeito parece à beira de um colapso nervoso.

Voltando a investigação, Velcoro e Ani fazem uma visita ao sinistro psiquiatra que examinava Caspere, um tal Dr. Pitlor que mais parece um clone de Doctor Ray. É impossível evitar um arrepio quando os dois detetives passam em frente aos quartos com os pacientes do Doutor e encontram um destes com marcas de cirurgia. Que tipo de intervenção cirúrgica Pitlov realiza em seus pacientes e com qual objetivo. A clínica aliás, lembra um daqueles lugares assombrados em que pacientes são submetidos a experiências e tratamentos nada ortodoxos. O lugar tem uma aura de limpeza e esterilização, algo que soa estranho e perturbador. Não é apenas a expressão vazia do médico ou sua voz em tom monórdio, é algo mais, há algo positivamente creepy nesse sujeito. 

Eu adoraria vê-lo em outros episódios e descobrir que ele tem uma participação importante na trama do assassinato. De qualquer maneira, é sugerida uma ligação entre Pitlor e o pai hippie da detetive Bezzerides, os dois teriam trabalhado em algo chamado Good People nos anos 1970. 


Ani não consegue esconder sua repugnância diante dos comentários do médico sobre sua participação nesse programa no qual várias crianças acabaram mortas ou com sérios problemas psicológicos, sendo que uma delas se tornou uma detetive (ela própria). O que será essa comunidade Good People? É provável que ainda ouviremos falar a respeito do pai de Ani e das suas teorias birutas envolvendo religião. Eu torço para que o tal Instituto esteja diretamente ligado a morte de Caspere pois a partir dele seria fácil haver um componente de culto ou seita na trama. A segunda temporada de True Detective até pode não ter um elemento claro de ocultismo tão óbvio quanto o da temporada anterior (onde tinhamos o Rei Amarelo), mas se não existir nada místico nessa estória seria um baita desperdício. Tudo no roteiro cheira a ocultismo e bizarrice, seria uma pena, se na resolução do caso não houvesse nada nesse sentido.


Com o episódio se encaminhando para um final meio morno, faltava um cliffhanger para atrair os espectadores para a semana que vem e essa conclusão com direito a dois disparos de espingarda foram sem dúvida o ponto alto do capítulo. 

Agora é torcer para a semana passar rápido...

PISTAS, INDÍCIOS E SUSPEITAS NO SEGUNDO EPISÓDIO:

1) A Vida estranha de Ben Caspere


O psicanalista Dr. Pitlov fala sobre as estranhas preferências de seu paciente Ben Caspere. Já havia ficado claro que Caspere tem um gosto sexual peculiar pelo que vimos na decoração da casa onde ele desapareceu... mas os detalhes supridos pelo Dr. Pitlov só corroboram que há algo mais estranho no comportamento dele.

Segundo o médico o sujeito era um viciado em sexo que "gostava de observar". Curiosamente os olhos do sujeito foram mutilados e seu pênis explodido com uma espingarda.  Tudo aponta para o fato desse assassinato ter sido cometido por alguém que odiava o sujeito e que desejava machucá-lo ao invés de simplesmente executá-lo.

2) A Misteriosa Srta. Tasha

Lá pelas tantas descobrimos que Ben Caspere era visto na companhia de uma prostituta chamada Tasha. Faz um bocado de sentido que ele andasse na companhia de profissionais do sexo, já que Caspere parece ser viciado em mulheres como explicou o médico.

Ficamos sabendo ainda que Caspere tinha um comportamento passivo em seus relacionamentos, no que a edição permite um corte pra lá de estranho para uma escultura na mesa do médico, com destaque para uma pedra com um furo no meio. Que diabo foi isso? Repara só na cena, se voc|ê piscar de repente perde ela...


Quem seria a tal Tasha? O nome não parece ser falso, será que veremos uma possível ligação da irmã de Antigone com o caso? A maneira como ela buscava obsessivamente as páginas de sexo na internet dão a entender que Ani ficou de alguma forma perturbada pelo componente sexual no caso.

3) As Máscaras na Parede da Casa de Caspere

Talvez seja apenas uma coincidência, maaaaaaaas não se pode desconsiderar nada em True Detective.

As estranhas máscaras na casa de Caspere remetem diretamente às máscaras usadas pelos cultistas do Rei Amarelo na primeira temporada.



Será que é apenas um "red herring" ou haveria alguma conexão entre as histórias? Acho be difícil que haja essa relação direta, mas quem pode dizer ao certo?


domingo, 28 de junho de 2015

As Cinzas de Tesla - Os restos de Nikola Tesla estariam ameaçados por Satanistas?





Essa notícia é tão estranha que precisava ser compartilhada.

*     *     *

Estariam seguidores do demônio interessados em utilizar as cinzas de Nikola Tesla para um ritual satânico? 

Essa pergunta foi feita pelo Conselho da Cidade de Belgrado no qual o presidente executivo revelou que altos oficiais na Igreja Ortodoxa pediram que as cinzas de Tesla fossem removidas de um Museu e levadas para uma Igreja, onde estariam melhor protegidas dos cultistas. De onde surgiu esse boato? Ele é real ou não passa de história?

Nikola Tesla morreu na cidade de Nova York em 7 de janeiro de 1943. Seu corpo foi cremado e depositado numa urna juntamente com sua máscara funerária, mantido naquela cidade até 1957. Posteriormente o material foi enviado para Belgrado onde os restos foram colocados em uma esfera folheada a ouro, repousando sobre um pedestal de mármore no Museu devotado ao brilhante cientista.

O Museu Nikola Tesla é uma das atrações principais na Capital da Sérvia, atraindo curiosos e interessados em conhecer detalhes sobre a fascinante vida desse notável cientista. Tesla que viveu a maior parte de sua vida na América foi um dos mais impressionantes cientistas de seu tempo, envolvido em inúmeros campos de pesquisa. Ele se destacou como engenheiro mecânico e eletrotécnico. Seu trabalho teórico ajudou a formar as bases dos modernos sistemas de potência elétrica em correte alternada, incluíndo os sistemas polifásicos de distribuição de energia e o motor AC, essenciais para o ponta-pé da Segunda Revolução Industrial.

Depois da sua demonstração de transmissão sem fios (rádio) em 1894 e após ser o vencedor da "Guerra das Correntes", tornou-se largamente respeitado como um dos maiores engenheiros electrotécnicos que trabalhavam nos EUA. Muitos dos seus primeiros trabalhos foram pioneiros na moderna engenharia electrotécnica e muitas das suas descobertas foram importantes a desbravar caminho para o futuro. Durante este período, nos Estados Unidos, a fama de Tesla rivalizou com a de qualquer outro inventor ou cientista da história e cultura popular, mas devido à sua personalidade excêntrica e às suas afirmações aparentemente bizarras e inacreditáveis sobre possíveis desenvolvimentos científicos, Tesla caiu eventualmente no ostracismo e era visto como um cientista maluco

Mas a criatividade de Tesla e seu brilhantismo foram recuperados pelas novas gerações de cientistas que o consideram um gênio.


É por isso que essa notícia chamou tanta atenção.

O presidente do Conselho da Cidade de Belgrado, Nikola Nikodijevic levou o assunto aos seus colegas, afirmando que membros da mais alta-hierarquia da Igreja Ortodoxa manifestaram sua grande preocupação com uma possível conspiração envolvendo satanistas.

Segundo Nikodijevic, os alto-sacerdotes teriam afirmado que o plano nefasto desses "Seguidores de Satã" envolviam contatar espiritualmente o grande cientista e de alguma forma - usando de rituais e/ou magia negra, compelir seu espírito a revelar a existência de armas e engenhos de destruição que ele teria contemplado em vida (mas que jamais construiu na prática). Para os Patriarcas Ortodoxos, as armas de Tesla representariam uma grave ameaça ao futuro da humanidade, podendo decretar o fim da civilização se um dia elas forem de fato construídas e empregadas.

Um dos sacerdotes que pediu a transferência dos restos foi o respeitado Patriarca Irinej, que compareceu diante do Conselho e implorou que as cinzas fossem protegidas. Segundo ele, Seitas Satânicas que contam com membros influentes na sociedade de Belgrado - "e que envolvem pessoas importantes na sociedade sérvia, estariam arquitetando o plano há décadas". Só agora, no entanto, eles estariam prestes a ter sucesso em seus planos.

Na opinião do Patriarca Irinej a melhor maneira de coibir a utilização das cinzas de Tesla é deixá-las sob a proteção da Igreja Ortodoxa Sérvia. "Trata-se de um assunto de máxima importância, sobre o qual nós iremos nos arrepender amargamente caso não enfrentemos suas implicações" disse ele em discurso diante dos Conselheiros. Levando as cinzas para solo sagrado, colocando-as na Igreja de St. Sava, seria a melhor maneira de evitar que os cultistas conseguissem estabelecer contato com o espírito do cientista e obter suas invenções.

Desde 2011, políticos tentam levar as cinzas de Tesla para um monumento destinado a abrigar os restos mortais dos maiores heróis da nação.

Para salientar a urgência de seu pedido, o Patriarca apresentou uma série de fotografias que mostram o que ele afirmou se tratar de uma "Missa Negra" realizada no Museu Tesla diante do globo. As fotos foram obtidas no início do ano, na ocasião um guarda do Museu Tesla supostamente conseguiu impedir que um grupo removesse o globo de seu repouso e fugisse com ele.  

A suposta missa negra fotografada no Museu de Nikola Tesla
Branimir Jovanovic, o diretor do Museu Nikola Tesla, negou que qualquer ritual satânico tenha ocorrido no interior do prédio. Ele preferiu não comentar os rumores a respeito de gatos pretos encontrados mortos, de alegadas possessões demoníacas e de vultos estranhos vistos nas imediações do Museu. A respeito de uma invasão do Museu ocorrida em 2009, Jovanovic admitiu que ladrões tentaram entrar no Museu com a intensão de remover algumas peças valiosas, mas que todos os envolvidos foram presos e que nenhum deles era um satanista.

Enquanto ninguém decide o que fazer com a urna contendo as cinzas de Tesla, o Museu tomou suas próprias providências contratando vigias extras, aumentando assim a segurança. Eles também colocaram um cordão de veludo para manter os visitantes a uma distância segura do globo.

*     *     *

Por mais ridícula e absurda que seja a notícia - corroborada através de vários jornais respeitados como o The Guardian e o New York Times, a coisa toda é muito estranha e dá pano para a manga.

Além disso, lembra muito o roteiro central de "O Caso de Charles Dexter Ward" escrito por H.P. Lovecraft em 1930...

Na novela, uma das mais celebradas do autor, um feiticeiro poderoso tenta adquirir os restos mortais de vários bruxos e conhecedores de ocultismo com o intuito de trazê-los de volta dos mortos e torturá-los em busca do que eles sabiam quando vivos. Joseph Curwen, o terrível feiticeiro de Providence, ele próprio renascido dos mortos, é um dos vilões mais notórios da bibliografia de Lovecraft, um sujeito terrível movido pela loucura e sede de poder. O método utilizado por ele para trazer os mortos de volta à vida envolvia algo chamado "Decomposição dos Sais Perfeitos" no qual as cinzas e restos, devidamente recuperados via exumação, eram submetidos a um ritual que permitia sua ressurreição.

Trocando o "conhecimento oculto" dos ressurrectos por "conhecimento tecnológico" a estória é basicamente a mesma. Imagina só se as invenções de Tesla - incluíndo o lendário raio da Morte, a Arma Definitiva, fosse empregado para o mal? Imagina isso caíndo nas mãos de terroristas? Maníacos como o Estado Islâmico ou Al Qaeda fariam a festa com isso. Já pensou se essa arma vai parar com uma nação belicista disposta a usá-lo em suas guerras (Coréia do Norte?) ou ser empregado por ditadores (Al-Assad)?

Para conseguir isso, eles precisariam apenas das cinzas de Tesla, o que, considerando a segurança relaxada do Museu não parece ser um obstáculo muito grande. Para quem quer brincar de "Two Minutes to Midnight" isso francamente não é nada.

Ainda bem que existem pessoas interessadas em frustrar os planos desses caras: Patriarcas de uma Sociedade Secreta, um secto da Ortodoxia, que prometeu impedir que conhecimento perigoso caia em mãos erradas. A coisa quase se escreve sozinha...

Junte a isso a noção de que Tesla pode ter sido um agente da Grande Raça de Yith ou quem sabe uma máscara de Nyarlathotep e pronto, temos uma mini-campanha quase pronta.

É claro, o mais provável é que a Igreja Ortodoxa e o Patriarca estão simplesmente interessados em explorar a atração levando tudo para sua Igreja, mas que parece o roteiro de uma estória maluca de conspiração a lá Dan Brown, isso parece.

E já que citei "Two Minutes to Midnight" que tal assistir o tosquíssimo vídeo dessa música do Iron Maiden

E torcer para que as cinzas fiquem em segurança...


2 minutes to midnight,
The hands that threaten doom.
2 minutes to midnight,
To kill the unborn in the womb.

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Lovecraft no Cinema - Coleção de Filmes de horror baseados em Lovecraft


Scoop do nosso colega Elvys Benayon.

Valeu parceiro, já comprei o meu!

Filmes inspirados pela obra de H.P. Lovecraft podem variar um bocado em se tratando de qualidade.

Infelizmente a verdade é que a maioria das obras inspiradas pelas criações de Lovecraft não são lá grande coisa e ocupam aquela área dedicada aos filmes trash (o que não é necessariamente ruim, mas francamente tem muitos filmes medíocres na lista).

Mas existem as exceções...

É possível citar alguns filmes que são bem interessantes e que valem a pena assistir, ter na coleção e ver várias vezes. Por sorte, a distribuidora Versátil está lançando uma edição especial chamada Lovecraft no Cinema, que estará à venda exclusivamente na Livraria da Cultura. A seleção de filmes é excelente: Re-Animator e Do Além filmes do diretor Stuart Gordon, o fantástico "À Beira da Loucura" do craque John Carpenter, que creio eu, jamais saiu em DVD aqui no Brasil e o maravilhoso documentário Fear of Unknown (quase duas horas de biografia do Cavalheiro de Providence, repleto de comentários e informações suculentas).

Não bastasse ser um pacote muito bom, a coleção ainda vem recheada de extras dignos de uma edição especial e com um preço bastante camarada. 

Aqui está o press-release do lançamento.

*     *     * 

A Livraria Cultura e a Versátil apresentam LOVECRAFT NO CINEMA, digistack com 2 DVDs que reúne três filmes inspirados na obra de H. P. Lovecraft (1890-1937), um dos maiores mestres da literatura de horror, além de um documentário sobre o escritor e quase duas horas de vídeos extras. Edição Limitada com 4 cards. Abaixo todas as informações sobre esse super lançamento.  

DISCO 1 “Re-Animator: A Hora dos Mortos-Vivos” (“Re-Animator”, 1985, 86 min.) De Stuart Gordon. Com Jeffrey Combs, Bruce Abbott, Barbara Crampton. Baseando-se livremente no conto “Herbert West: Reanimador”, Stuart Gordon criou uma obra-prima do horror, com muito sangue e cenas escatológicas. Inédita versão restaurada com vários extras, incluindo making of e cenas excluídas. 

 “Do Além” (“From Beyond”, 1986, 86 min.) De Stuart Gordon. Com Jeffrey Combs, Barbara Crampton e Ted Sorel. A partir do conto homônimo de poucas páginas, Stuart Gordon volta ao universo lovecraftiano para mostrar até onde a tecnologia pode transformar o ser humano. 

 DISCO 2 “À Beira da Loucura” (“In the Mouth of Madness”, 1994, 95 min.) De John Carpenter. Com Sam Neill, Julie Carmen e Jürgen Prochnow. O investigador John Trent é contratado para achar Sutter Cane, um escritor de histórias de terror que, após terminar seu último livro, misteriosamente desapareceu. Brilhante homenagem de Carpenter ao universo literário de Lovecraft. 

 “Lovecraft: Medo do Desconhecido” (Lovecraft: Fear of the Unknown, 2008, 89 min.) De Frank H. Woodward. Com Neil Gaiman, Guillermo Del Toro e John Carpenter. Lovecraft é considerado por muitos o pai do horror moderno. Este documentário faz uma crônica sobre a vida, a obra e as ideias do autor de “O chamado de Cthulhu”. 

VÍDEOS EXTRAS: Making of de “Re-Animator” (69 min.), Trailers de “Re-Animator” (7 min.), Trailer de “Do Além” (1 min.), Trailer de “À Beira da Loucura” (2 min.), Cenas excluídas de “Re-Animator” (26 min.), Depoimento de Stuart Gordon sobre “Do Além” (9 min.)

*     *     *

A caixa com os filmes é realmente muito bonita, um acabamento de primeira como vocês podem ver nas fotos abaixo:



Para quem ficou curioso a respeito dos filmes, o Blog já fez a resenha de três deles. Nos links a seguir, é possível ler essas resenhas:

Re-Animator (resenha)

Do Além

Medo do Desconhecido (Fear the Unknown)