quinta-feira, 5 de março de 2015

Resenha do Cenário Degraus para o Abismo


Degraus para o Abismo – uma resenha.
Por Eli Andreoli

“Após alguns anos no ramo da investigação particular, posso dizer que já vi um pouco de tudo, e isso é o suficiente para subestimar casos que parecem resolvidos antes mesmo de se levantar a bunda da cadeira – mas isso não é um conto de Sherlock Holmes e esse erro de julgamento é um grande risco em minha profissão.

Cometi esse tolo equívoco quando o Dr. Cordeiro nos contratou para investigar o desaparecimento de Otávio Camargo: um playboy de vida desregrada cujos colunistas sociais dos jornais adoravam acompanhar suas traquinagens para dar mais assunto às dondocas da alta sociedade carioca que adoravam um mexerico sussurrado nos cantos dos salões dos bailes chiques da zona sul. Se dependesse de Otávio, os jornalistas especializados em fuxicos jamais ficariam sem emprego – um jovem relaxado, irresponsável que jamais trabalhou na vida e não conseguia terminar a faculdade devido à total incapacidade de ficar longe da boemia.

Tão logo o advogado da família Camargo nos informou que seu cliente desaparecera, supus que deveria ser mais uma traquinagem de um jovem que jamais saíra de sua infância, mas que já tinha idade para se apresentar legalmente como dono de seus próprios orifícios nasais. Isso obscureceu meu julgamento e essa tola análise prematura custou a vida de dois de meus associados e quase cobrou de mim também seu preço em sangue. Jamais imaginaria que um caso que julgava enfadonho iria me lançar à uma trama sinistra na qual posso dizer que só saí vivo por pura providência divina.

Apesar de sair dessa intempérie com vida, jamais poderei dizer que saí ileso, pois decerto foram fatos nefastos que se cravaram a fogo em minha agora fragilizada mente. Ninguém acreditaria nas medonhas experiências que vivi e nem no relato fantástico que posso dar. Sei apenas que em um par de dias minha vida monótona foi chacoalhada e me mostrou o horror que nenhum homem jamais deveria saber que existe.” – Relato de Dr. Edgar von Farber, Médico Forense e Investigador Particular.

Degraus para o Abismo é um cenário escrito pelo já conhecido Luciano Giehl e publicado pela Terra Incógnita. Uma excelente opção para quem busca uma alternativa em português para se divertir com jogadores experientes ou iniciantes no mundo aterrorizante dos Mitos de Cthulhu. Mestrei o cenário tão logo quanto eu o recebi e o resultado foi realmente muito bom. Portanto venho fazer uma breve resenha e relato sobre a sessão de jogo – tentando obviamente deixar esse texto longe dos malditos spoilers.


Ambientado no Rio de Janeiro de 1926, a história gira em torno do desaparecimento de Otávio, um playboy desregrado, herdeiro único cujo pai se encontra em leito do hospital, fragilizado e doente. Dr. Cordeiro é o responsável por administrar os negócios da família e contata os investigadores para desvendar onde estaria metido o embrulhão. A única pista de seu paradeiro é que seu inseparável amigo Edgar fora encontrado completamente desnorteado no meio do Campo de Golfe de Gávea e levado ao Hospital de Alienados da Praia Vermelha. Diagnosticado com sintomas de estresse pós-traumático, após estabilizada sua histeria entrou em catatonia profunda.

O cenário oferece flexibilidade ao Guardião para optar quanto ao papel dos investigadores no cenário. A história assume que os investigadores são Detetives Particulares, mas permitem também jornalistas em busca de um furo, membros da família Camargo (talvez interessadas na herança), policiais, psicólogos que receberam o paciente catatônico, dentre outras maneiras dos investigadores se relacionarem com o desaparecido. Nenhum investigador precisa ser versado no paranormal, já que o cenário se encarregará de lançar os personagens em fatos inacreditáveis que mudarão suas vidas para sempre.

Uma vez iniciada as investigações elas se desenrolam de uma forma supreendentemente rica em detalhes, porém fluída, jogando gradualmente as investigações de um caso comum e entediante à uma trama sórdida que envolve o obscuro mundo dos mitos. Para transitar de uma investigação banal à uma trama mortal, o cenário conta com alguns Recursos (Props, para os puritanos). São textos relativamente curtos e objetivos, o que agiliza o cenário e faz com que aqueles jogadores que não gostam muito de ler não percam o interesse na história (principalmente no caso de iniciantes nos Mitos de Cthulhu).

Um ponto interessantíssimo do cenário que explora uma das formações geológicas que mais trazem teorias controversas para a antropologia e história nacional. A Pedra de Gávea – um local real – é localizado no Rio de Janeiro, cujas inscrições nas paredes das cavernas fazem com que estudiosos reflitam sobre a própria história do país. Você nunca ouviu falar da Pedra de Gávea? Vamos lá, faça uma pesquisa rápida no Google, tenho certeza que achará intrigante as hipóteses levantadas sobre esse misterioso local que faz parte de nossa história e folclore.


Uma crítica positiva ao cenário, é que o Guardião consegue se sentir à vontade para expandir ou comprimir o tempo de jogo conforme sua necessidade, alterando pouco ou até nada da descrição do cenário, bastando para isso o Guardião ser menos ou mais detalhista. A sessão pode durar de poucas 2 horas até uma tarde (ou noite) inteira se assim o grupo desejar. Além disso permite que seja uma sessão isolada no meio de uma campanha ou até mesmo o início de uma.

Um ponto crítico no cenário depende do Guardião considerar-se ou não um purista e fiel às histórias Lovecraftianas. Afinal, uma característica dos cenários de Luciano Giehl (que considero um purista) é que normalmente as investigações preliminares não apresentam riscos mortais aos investigadores, mas isso tudo muda quando se chega ao clímax do cenário. São muitos rolamentos e uma falha ocasionalmente pode levar algum investigador a óbito prematuro. Em minha mesa, metade dos investigadores morreram por terem azar nos dados, mesmo não estando em combate. O Guardião deve refletir se o nível de dificuldade da cena final pode prejudicar ou não a diversão do grupo, principalmente se o cenário for inserido em uma campanha. Contudo, como uma sessão isolada, o Guardião não deve se incomodar mandar uma ou duas almas para o limbo.

Quanto ao livro, este é distribuído digitalmente em formato PDF. São 15 páginas mais capa, sabiamente já preparadas para impressão preto e branco. As imagens são fotomontagens que ajudam a deixar o Guardião e aos jogadores se ambientarem ao cenário. A única crítica ao livreto encontra-se no fato de não haver um apêndice com todos os Recursos (Props) reunidos para serem impressos de uma única vez, tendo que imprimir algumas páginas em duplicata, desperdiçando um pouco de tinta e algumas folhas.

Enfim, é um excelente cenário. Recomendo tanto para mestres experientes ou talvez iniciantes nas artes do obscuro. O livro é distribuído em PDF pela Terra Incógnita, tem um preço módico de R$9,90 e pode ser comprado a partir do link: http://www.terraincognitaeditora.com.br/

segunda-feira, 2 de março de 2015

Os Crimes da Fazenda Hinterkaifeck - Assassinatos misteriosos na Alemanha permanecem sem solução


Crimes e mistérios envolvendo assassinatos sempre despertaram a atenção de curiosos. Casos notórios como o do assassino Zodíaco ou de Jack, o estripador se tornaram incrivelmente populares, sendo debatidos ao longo de décadas, com especialistas discutindo a verdadeira identidade dos assassinos e sua motivação. É provável que casos como esses ainda sejam debatidos daqui há muitos anos. Curiosamente, quanto mais misterioso, sanguinolento e tenebroso o crime, maior o fascínio que ele desperta. Talvez seja parte da natureza humana se manifestar dessa forma.

Um desses mistérios surgiu nas majestosas florestas alpinas da Bavária, na Alemanha. A idílica paisagem montanhosa, de natureza exuberante, se tornou o palco de um dos mais violentos e horripilantes assassinatos ocorridos naquele país. 

O ano era 1922 e tudo aconteceu em uma fazenda conhecida como Hinterkaifeck.

Hinterkaifeck era uma propriedade rural localizada na floresta fora de Groebern, entre as cidades bávaras de Ingolstadt e Schrobenhausen, a pouco mais de uma hora de carro de Munique. A fazenda era a residência da Família Grueber, que consistia do marido Andreas, sua esposa Cazilia, sua filha Viktoria, que havia se tornado viúva pouco antes e duas crianças Cäzilia (7) e Josef (2). 

Eles viviam em relativo isolamento, uma vez que o lugar ficava a aproximadamente um quilômetro da cidade mais próxima, Kaifeck. As trilhas que ligavam a fazenda aos seus vizinhos eram tortuosas e por isso os Grueber raramente recebiam visitas.

The Hinterkaifeck farm
A Fazenda Hinterkaifeck
Apesar de viverem distantes, a família Grueber era bastante conhecida na região, embora não pelas melhores razões. Andreas Grueber tinha fama de ser um homem violento que batia na esposa frequentemente. As pessoas o evitavam pois sabiam que ele tinha fama de andar armado e não levar desaforo para casa. Ninguém de fato gostava muito dele. Boatos maldosos davam conta de que o neto mais novo, o pequeno Josef de apenas dois anos, era o resultado de uma relação incestuosa de Andreas com a filha Viktoria. A jovem havia ido morar com os pais depois que seu marido morreu nas trincheiras da Grande Guerra. Comentava-se que os ciúmes de Andreas pela sua filha beiravam a obsessão e que ele mantinha a garota sob estrito controle. Ela era proibida de sair de casa desacompanhada do pai e nas raras ocasiões em que era vista na cidade, ninguém podia falar com ela sem a autorização do tirânico patriarca.

O outro filho do casal, Emil havia supostamente deixado a fazenda alguns anos antes e nunca se soube de seu paradeiro. Alguns diziam que ele partira para Munique em 1921, mas outros afirmavam que ele havia ido mais longe para escapar do pai, quem sabe para Berlim ou Frankfurt. Andreas não falava sobre o filho e se referia a ele como "aquele ingrato". A relação com os pais desde sempre fora tempestuosa, e se agravara com a chegada da irmã que era a favorita do patriarca. O rapaz havia trocado socos com o pai em uma visita ao povoado, pouco antes de supostamente fugir na calada da noite. Alguns ficaram aliviados que Emil tivesse partido, pois estavam certos de que as coisas terminariam mal se ele continuasse a viver na Fazenda.

A maneira brutal como Andreas tratava a esposa também era bem conhecida, a mulher frequentemente aparecia na cidade tentando esconder marcas roxas pelo corpo. Andreas nunca escondeu que era ele o responsável por aquelas agressões, e ai de quem falasse alguma coisa. Em geral, a família era estranha e reclusa. A única que tinha uma boa reputação era a pobre Cazilia, que cantava no coral da igreja, e que segundo alguns tinha uma bela voz.
As coisas começaram a ficar estranhas na fazenda quando uma faxineira que havia sido contratada para ajudar Cazilia, desistiu repentinamente do trabalho. Quando questionada porque ela decidiu partir de maneira tão abrupta, Maria - a faxineira, contou que havia ouvido sons estranhos: vozes guturais e gargalhadas nos arredores da fazenda. Ela jurou ter ouvido também o som de passos subindo e descendo as escadas que levavam ao sótão, mesmo quando todos os membros da família estavam reunidos na mesa de jantar. As crianças segundo a empregada choravam sem parar e estavam sempre aterrorizadas como se fossem capaz de "ver alguma coisa que os adultos eram incapazes de enxergar". Maria estava convencida que a fazenda era assombrada e intimidada pela suposta presença fantasmagórica, decidiu deixar o lugar, mesmo após ser advertida por Andreas que não seria paga se o fizesse. Andreas espalhou que Maria era simplesmente uma idiota de mente fraca.
Seis meses depois, as coisas se tornaram ainda mais bizarras. Em meados de março de 1922, Andreas estava limpando o quintal após uma nevasca, quando se deparou com estranhas pegadas deixadas na neve. As trilha levava em direção à floresta. Andreas vasculhou toda propriedade em busca de algum invasor, revistou a casa, o barracão e o galpão nos fundos, sem encontrar ninguém. Alarmado pela possível presença de um invasor em sua propriedade ele foi até a cidade e advertiu a todos que, qualquer pessoa vagando em suas terras, seria abatida.  
footprints_in_the_snow_by_moon_noir-d5yw6k7.png
Pegadas na Neve
Na mesma noite em que as pegadas surgiram, a família Grueber foi acordada no meio da madrugada por inexplicáveis ruídos vindos do sótão. Lembrando do que a faxineira havia dito sobre os ruídos no sótão, Andreas vasculhou o lugar, mas não encontrou ninguém. Na manhã seguinte, novas pegadas cobriam a parte da frente da propriedade, estas se afastavam da fazenda em direção à floresta e desapareciam repentinamente. No final de maio, Andreas visitou Kaifeck, ele parecia cansado e mais nervoso do que o normal. Na ocasião contou que ninguém na Fazenda Hinterkaifeck conseguia dormir há mais de uma semana, por conta dos estranhos ruídos ouvidos na madrugada. Ele relatou ainda, que marcas semelhantes a arranhões haviam aparecido na porta de madeira de um galpão.

Alguns sugeriram que o estranho não era outro senão Emil Grueber, o filho de Andreas que havia retornado e estava atormentando o velho. Mas Andreas deixou claro que não podia ser Emil o que alguns interpretaram como sendo uma certeza um tanto preocupante.

Em 31 de Maio, apesar dos relatos estranhos e dos boatos que circulavam no povoado, uma nova faxineira chamada Francisca Bohrman foi contratada para ajudar na fazenda. Mas o primeiro dia de trabalho da mulher também seria o seu último. No fim da tarde, ela apareceu no vilarejo dizendo que de modo algum passaria a noite "naquele lugar amaldiçoado". Quando questionada, Franscisca contou que enquanto estava lavando roupas sozinha no quintal, viu a figura fantasmagórica de um rapaz correr em direção à floresta. Aterrorizada pela experiência ela deixou a fazenda enquanto ainda havia luz do sol. 

Francisca Bohrman seria lembrada como a última pessoa a ver os Grueber com vida.

Em 4 de abril de 1922, as pessoas no vilarejo demonstravam preocupação com os membros da Família Grueber, sobretudo com Cazilia e as crianças. A última notícia da fazenda havia sido trazida por Francisca e desde então, ninguém havia ido até o lugar. O domingo havia passado sem que os Grueber aparecessem na igreja para a missa semanal, o que era estranho. Alguns cidadãos resolveram então visitar a Fazenda Hinterkaifeck para verificar o que estava acontecendo. Ao atingir a cerca que delimitava a propriedade, o grupo começou a chamar os moradores, mas não obteve resposta. Mais do que isso, não havia sinal dos Grueber e sobre a fazenda pesava uma inquietante atmosfera de silêncio e apreensão.

Apesar das promessas de Andreas de receber invasores à bala, o grupo decidiu adentrar a fazenda. Perceberam que haviam muitas pegadas deixadas na neve que se dirigiam para o galpão e ao abrir a porta se depararam com uma cena aterradora. Os corpos dos Grueber estavam empilhados uns sobre os outros e cobertos com palha. Eram quatro cadáveres: Andreas, sua esposa Cazilia, sua filha Viktoria e a neta mais velha, Cäzilia. O fedor de sangue coagulado era quase insuportável, lembrando um matadouro. O grupo, após verificar que o pequeno Josef não estava entre os mortos, procedeu em uma busca desesperada pela fazenda. Eles enfim encontraram o menino no quarto, morto. Toda Família Grueber havia sido massacrada à sangue frio.     
Gruesome discovery in the barn
A horrível descoberta no galpão fotografada pelas autoridades
O grupo imediatamente chamou a polícia, e em poucas horas investigadores do Departamento de Polícia de Munique chegaram a cena do crime. A autópsia preliminar mostrou que todas as vítimas haviam sido mortas com golpes na cabeça desferidos por uma ferramenta pesada. O corpo de Viktoria também mostrava sinais de estrangulamento, mas não foi possível determinar se essa foi a causa da sua morte. O assassino aparentemente era alguém muito familiarizado com o manejo de ferramentas pesadas, já que todos os corpos apresentavam o mesmo tipo de ferimentos: um golpe perfurante no crânio. As vítimas morreram imediatamente, com exceção de Cäzilia, que levou várias horas para sucumbir apesar do ferimento brutal no crânio. As vítimas estavam vestindo pijamas, com exceção de Viktoria, que trajava roupas do dia a dia. O pequeno Josef apresentava um ferimento de corte na garganta e havia sido deixado na cama onde sangrou até morrer. Apenas depois o assassino usou a mesma arma para arrebentar a cabeça do menino. Os investigadores acreditavam que as mortes haviam ocorrido na madrugada do dia 31 de março.

A arma usada no crime não foi encontrada apesar das buscas empreendidas. Tudo indicava que ela seria uma ferramenta agrícola comum em uma fazenda, provavelmente uma picareta e que o assassino teria carregado ela consigo ou escondido em algum lugar ignorado.

Um dos peritos chegou a conclusão de que o assassino havia conseguido ludibriar Andreas Grueber, sua esposa, filha e neta a entrar no galpão um de cada vez. Lá ele os executou com golpes certeiros de picareta. Em seguida, ele teria entrado na casa e eliminado o menino usando uma faca. Eles concluíram no inquérito que Viktoria e Cäzilia foram os primeiros a serem mortos e que o sumiço deles teria motivado Andreas e a esposa a ir até o galpão. Os corpos foram cobertos com palha seca e alguns sugeriram que o assassino pretendia atear fogo neles, mas que desistiu disso imaginando que a fumaça poderia atrair curiosos. O corpo de Josef estava coberto com um lençol empapado em sangue e um travesseiro foi colocado sobre a sua cabeça antes do golpe com a picareta ser desferido.
A pickaxe, the Hinterkaifeck Killer's weapon of choice
A picareta usada no crime da Fazenda Hinterkaifek
O crime já continha vários elementos macabros, mas uma análise criteriosa da cena do crime revelou detalhes ainda mais estranhos. O cachorro da família, que não foi importunado pelo assassino, tinha comida e água fresca. Os animais da fazenda, vacas e porcos também haviam sido devidamente alimentados. Essas evidências sugeriam que o assassino poderia ter passado alguns dias na fazenda, mesmo depois de executar brutalmente suas vítimas.

Além disso, tufos do cabelo de cada vítima foram cortados por razões desconhecidas. Os longos cabelos de Cazilia foram cuidadosamente aparados, bem como o bigode de Andreas. O que teria levado o assassino a fazer tal coisa? 

A polícia continuou buscando algum motivo, mas tudo o que descobriu conduzia a novas questões difíceis de serem respondidas. No início, acreditava-se que a motivação para o massacre fosse o roubo. Os quartos estavam revirados, como se alguém tivesse vasculhado cada aposento em busca de dinheiro. Os Grueber tinham um padrão de vida confortável e não era raro encontrar vagabundos no interior da Alemanha naquela época - a guerra havia terminado poucos anos antes e muitos perderam tudo no conflito. A descoberta de uma caixa contendo jóias e moedas de ouro no quarto de Andreas fez com  que a polícia começasse a pensar em outra motivação para o crime. O assassino afinal de contas havia estado no aposento e seria impossível não ter visto a caixa contendo os itens de valor. A carteira de Andreas, com 150 marcos, uma bela soma em dinheiro, estava numa gaveta aberta, e ela sequer foi tocada.
The maid's room
Um dos quartos revirados
Os policiais começaram a desconfiar que os crimes podiam ter uma motivação passional. As suspeitas recaíram sobre um veterano de guerra chamado Lorenz Schilittenbauer que supostamente havia visitado a fazenda semanas antes e que desde então estava vivendo em Munique. Ele teria manifestado interesse em Viktoria, mas este não foi correspondido. Lorenz afirmava ser um colega do marido de Viktoria e dizia ter estado com ele no momento de sua morte nas trincheiras, ocasião em que prometeu cuidar de sua esposa e filhos. Schilittenbauer teria ficado furioso com a recusa da viúva e isso teria alimentado seu ódio por ela e o restante da família. O pouco que se sabia a respeito de Lorenz dava conta de que ele tinha um gênio difícil e que era naturalmente violento. Alguns dos seus colegas e oficiais o consideravam mentalmente instável. Schilittenbauer chegou a ser preso, mas conseguiu providenciar um álibi que o isentou da culpa pelos assassinatos. Ele estaria na companhia de um casal de amigos na noite fatídica e teria sido visto em um bar por várias testemunhas que o reconheceram posteriormente. Com o principal suspeito inocentado, a polícia se viu uma vez mais sem pistas.

A essa altura, muitos já mencionavam os acontecimentos sobrenaturais e as assombrações vistas meses antes dos horríveis crimes.

As estranhas pegadas na neve chamaram a atenção dos detetives, mas ninguém foi capaz de precisar se elas estavam lá antes dos corpos terem sido descobertos ou se elas foram produzidas pelo próprio grupo que visitou a fazenda no dia 4 de abril. Alguns afirmavam que o massacre havia sido promovido por espíritos ou assombrações vingativas que repudiavam o estilo de vida dos Grueber.

Dois meses depois das mortes, a polícia alemã continuava sem um rumo. 

Os investigadores decidiram então vasculhar a floresta e os arredores da fazenda uma vez mais. E dessa vez, encontraram uma pista surpreendente. Próximo a um descampado, a cerca de 2 quilômetros da fazenda eles localizaram uma picareta suja de sangue com fios de cabelo humano mais tarde identificados como pertencentes aos membros da família Grueber. A ferramenta sem dúvida era a arma do crime. Ela havia sido embrulhada em um lençol idêntico ao encontrado no quarto do pequeno Josef e enterrada na lama.

A polícia de Munique continuou investigando os crimes da Fazenda Hinterkaifeck ao longo da década de 1920, mas o responsável pelo terrível massacre jamais foi descoberto. Mais de 100 suspeitos, a maioria destes, vagabundos, foram interrogados e liberados. Ninguém jamais foi processado ou julgado por esse crime. As razões para os atrozes assassinatos permanecem desconhecidas e o crime, um dos mais famosos da história da Alemanha no período entre as guerras, continua sem uma solução.

The Hinterkaifeck farmhouse
A Fazenda onde ocorreram os crimes
Mas esse não é o fim da história.

Muitas pessoas acreditam que a solução para o caso da Fazenda Hinterkaifeck reside no exame das pistas sob um ponto de vista sobrenatural. Estes apontam para uma vingança além-túmulo conduzida por ninguém menos do que Emil Grueber, o filho desaparecido de Andreas e Cazilia.
Na época em que Emil desapareceu, no final de 1921, muitos afirmaram que o rapaz não teria coragem de deixar a fazenda de seu tirânico pai e que este preferia matá-lo a permitir-lhe escapar de seu controle. Emil era descrito como um rapaz corpulento, que mal havia completado os 17 anos, mas cujos músculos haviam sido talhados pela labuta no campo. Era um rapaz quieto, que não havia concluído os estudos e que se dedicava exclusivamente ao trabalho na fazenda. Suas brigas com o pai eram famosas e todos que haviam testemunhado esses tristes episódios afirmavam que o ódio entre os dois era quase palpável. Algumas fofocas davam conta de que Emil teria uma relação não-natural com a irmã e que o ciúme do pai foi determinante para que a menina casasse com o primeiro pretendente que surgiu, um soldado.
Quando Viktoria retornou a Fazenda como viúva muitos comentaram o fato dela ter engravidado novamente. Mas embora houvesse especulação a respeito da identidade do pai, ninguém foi capaz de determinar se Josef era um filho ilegítimo de Andreas, de Emil ou de uma terceira pessoa desconhecida. Seja como for, o retorno de Viktoria ao convívio da família foi devastador para seu irmão. Logo depois disso, os desentendimentos se tornaram frequentes e resultaram em sua "fuga".
Muitos habitantes de Kaifeck desconfiavam que a "fuga" de Emil, não passava de uma farsa. Para eles, Andreas havia matado o próprio filho, talvez após uma discussão mais áspera. Com o intuito de tapear as autoridades e manter as aparências, ele simplesmente teria enterrado o corpo em uma cova rasa na floresta e inventado a fuga. Talvez por saber do paradeiro final de Emil, Andreas afirmasse categoricamente que não poderia ser o seu filho o misterioso invasor que visitou repetidamente a fazenda e deixou os rastros na neve.
Estudiosos da parapsicologia acreditam que assombrações e espectros podem retornar ao mundo dos vivos sobretudo quando tem contas a acertar com aqueles que os mataram. Em casos de profundo ódio, esses espíritos se erguem para extrair de seus algozes vingança. O folclore chama esses espíritos de Revenants.
Seria Emil o fantasma responsável pelos ruídos inexplicáveis na fazenda? Seria ele a presença fantasmagórica vista por Francisca Bohrman na fazenda? Será que o rapaz teria se erguido de uma cova rasa para executar todos aqueles que ele culpava pela sua morte?
É um fato conhecido que a polícia de Munique buscou o paradeiro de Emil Grueber ao longo de toda investigação, mas não logrou qualquer êxito de localizar o rapaz. Para todos os efeitos ele simplesmente desapareceu sem deixar vestígios em 1921. É razoável assumir que, se ele estivesse vivo na época em que a família foi assassinada, seria virtualmente impossível não tomar conhecimento do caso, já que este foi amplamente divulgado em toda Alemanha. A polícia chegou a publicar em jornais notas em que procurava Emil Grueber, mas ninguém jamais respondeu a elas. Para todos os efeitos ele desapareceu e nunca mais foi visto.
il_570xN.171021320
Em 1965, um parapsicólogo alemão chamado Frederick Hoffner publicou um controverso artigo no qual dava uma solução atípica para o Caso da Fazenda Hinterkaifeck. Segundo ele, Emil Grueber havia sido morto em novembro de 1921 por seu pai Andreas e enterrado na floresta nos arredores de Groebern. Nos meses seguintes, o ódio mortal e o ressentimento que ele nutria pela família teriam feito com que ele retornasse do túmulo em busca de vingança como um espírito em busca de justiça; um Ravenant.
Hoffner ia ainda mais longe em sua explicação. Ele afirmava que em 1947, pouco depois do fim da Segunda Guerra, uma ossada humana fora encontrada próxima ao descampado, onde a picareta usada para massacrar a família Grueber, tinha sido achada. Os ossos bastante antigos, foram removidos da cova rasa onde descansavam e enterrados numa cova sem nome. Segundo o parapsicólogo, os ossos pertenciam a Emil Grueber. 
O enigma da Fazenda Hinterkaifeck continua desafiando os caçadores de mistérios e hoje ele não está mais próximo de ser resolvido do que em 1922. A Polícia de Munique reabriu o caso em duas ocasiões, em 1986 e em 2007, mas em ambas as tentativas de elucidar o caso não houve qualquer progresso. As autoridades disseram que o mais provável é que o caso jamais tenha uma solução, uma vez que tantos anos se passaram, e as evidências se tornaram escassas com o passar dos anos. Isso no entanto não detém os intrépidos detetives amadores que buscam por um fechamento para esse crime.

Na Alemanha, o Caso Hinterkaifeck se tornou uma lenda, e é matéria de diversos livros, artigos e filmes. A fazenda em si desapareceu há muito tempo, tendo sido demolida em 1923 por vizinhos insatisfeitos com aquele monumento de morte e horror tão próximo de suas casas. Tudo o que resta atualmente é um marco de pedra erguido em homenagem aos que morreram naquele lugar lúgubre. Um marco e velhas árvores.

Ao que parece, essas árvores são as únicas que sabem o segredo da Fazenda e o que aconteceu naquela noite sangrenta.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Kit de Viagem - Prop para a Campanha Horror on the Orient Express


A jornada de terror através da Europa teve início semana passada com o primeiro capítulo de Horror on the Orient Express. Em breve planejo colocar no ar o relato de como foi a primeira parte, correspondendo aos cenários "Dancers in a Evening Fog" e "Doom Train".

Por hora, aqui estão algumas fotos do Kit de Viagem dos jogadores.

Eu queria fazer algo diferente nessa campanha, um tipo de prop que pudesse acompanhar os jogadores ao longo de todos os cenários e que fosse de alguma forma útil.

Eu já tinha tido a ideia do kit de viagem faz tempo, mas custei a encontrar algo que pudesse remeter diretamente a um grupo de viajantes. A solução veio por acaso, quando encontrei essas pastas em formato de maleta que simulam bem uma valise.


Uma vez que são oito jogadores na mesa, a logística de preparar os kits de viagem foi meio tumultuada, mas no final, cada valise continha o mesmo material.

A ideia é que na parte de trás das valises possamos colar stickers com o nome dos lugares para onde o grupo está seguindo, fazendo com que as valises fiquem "decoradas" ao estilo da bagagem de viajantes dos anos 1920.


Cada valise tem a identificação dos personagens do jogador em uma etiqueta. Depois de ponderar um bocado a respeito de imprimir, achei que escrever à mão em caligrafia cursiva daria um "toque vintage" à coisa. 

Ademais, a medida que os personagens sofrerem "acidentes" que os incapacitem de seguir viagem, os nomes serão devidamente riscados.


Próximo da alça coloquei as iniciais dos jogadores para identificar mais facilmente as valises.


E esse é o interior delas com os props.


Esse é o conteúdo de um dos kits de viagem que irão receber o acréscimo de material ao longo da campanha. Papéis, blocos de notas, passaportes, material de escritório, pasta para guardar recursos,  uma pasta para proteger as ficha, fotos dos personagens, mapas, etc...


Os blocos de anotações são bem práticos e úteis para o grupo registrar tudo aquilo que for relvante durante a investigação. Há um bloco pautado para as pistas, um bloco em branco para anotações gerais, um para NPCs e outro para lugares visitados ou à visitar. Lápis, caneta e borracha sempre à mão também é uma boa.

Eu adoraria ter personalizado alguns lápis e canetas para o kit, mas infelizmente o custo de gravar o nome da campanha era proibitivo, a não ser que eu mandasse fazer no mínimo 250.


Eu gosto especialmente do Cartão de Embarque do Orient Express (Boarding Pass) usado pela Compagne Internacionale des Wagons-Lits.

Encontrei uma versão dele na internet e copiei o texto para ficar mais autêntico. Embora o símbolo esteja diferente eu gosto das letras douradas no alto e as bandeiras dos países por onde o trem passa.


Esse é um mapa do roteiro do Orient Express. Eu tirei uma cópia reduzida do Mapa que vinha na caixa antiga do Orient Express. 

Fiz uma marcação dos principais destinos e tracei uma linha do percurso, assim o pessoal pode saber qual é seu próximo destino e onde vai se passar o próximo cenário.


Este aqui também ficou bacana. É um envelope e papel de carta com o timbre do Orient Express. Os passageiros tinham à disposição um papel de carta semelhante a esse para enviar sua correspondência. As cartas eram deixadas nas estações e enviadas gratuitamente pela Companhia. O próprio Orient Express por vezes transportava correspondência uma vez que era o método mais rápido de fazer as cartas chegarem ao seu destinatário.

Quando eu joguei a campanha usávamos um papel de carta semelhante que foi usado para mandar mensagens entre os personagens que acabaram se separando em uma parte da jornada. Foi um prop bem legal!


Esse é um modelo de ficha backup para os personagens. Essas fichas ficam sempre dentro do kit para o caso de extravio ou de algum jogador esquecer as suas fichas em casa.


Os passaportes da Campanha Horror on the Orient Express são famosos pelos seus detalhes. Se você pegar imagens dos passaportes originais do período, vai descobrir que essas cópias são idênticas aos documentos que se usava na época.

Até o momento temos passaportes americanos, britânicos, alemães e turcos. Faltam ainda os documentos concedidos pela Itália e França. O bacana desses documentos é que eles podem ser preenchidos a medida que os investigadores chegam a um novo destino. Tem uma página com os carimbos oficiais que podem ser impressos e colados no passaporte. Acredito que vai ficar ótimo.


Para registrar os acontecimentos da campanha, os jogadores tem esse caderno de viagem.

O caderno serve como uma espécie de diário no qual os jogadores podem registrar nomes, acontecimentos, pensamentos dos personagens ou trechos marcantes. Para incentivar os jogadores a utilizá-lo, cada vez que anotações forem inseridas, os personagens recebem uma pequena "vantagem" na forma de um ponto de confidence, que conta como uma espécie de "ponto de força de vontade". Se o jogador precisa muito realizar um teste, e falha, ele pode utilizar esse ponto para rolar novamente e tentar uma vez mais ser bem sucedido. Essa é uma house rule que eu adotei algumas vezes em certas campanhas e que funcionou bem.


O diário de viagem ao lado de uma garrafa retirada do bar do Orient Express.

Para seguir viagem alguns personagens podem necessitar de um pouco de "coragem líquida". Especialmente se esta for envelhecida por 12 anos.

Na próxima postagem irei apresentar os personagens da Campanha.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Unboxing: Cthulhu Wars - Fotos do incrível Jogo de Tabuleiro


Por Alex Lucard
Diehard GameFAN

Em meados de julho de 2013, Sandy Petersen e seus colaboradores da Green Eye Games iniciaram uma campanha de Financiamento Coletivo para um novo jogo de tabuleiro chamado Cthulhu Wars. O jogo alardeava que seria algo monumental com setenta e duas miniaturas e o potencial para múltiplas expansões. Não por acaso o projeto foi um enorme sucesso. Quase 4,000 pessoas financiaram o projeto que arrecadou a notável cifra de 1.4 milhões de dólares, o suficiente para fazer o jogo ser produzido. Foi um longo caminho para aqueles que acompanharam a produção do jogo, mas em janeiro de 2015, as caixas contendo Cthulhu Wars começaram a ser entregues ao redor do mundo. Ainda que eu tenha de aguardar por todas as expansões dos Grandes Antigos, o jogo básico chegou dia 16 de janeiro, e eu fiquei estarrecido pelo tamanho e peso do jogo. Ele é imenso! E quando abri a caixa vi que valeu cada centavo, mesmo que eu ainda não tenha jogado. Como financiador, eu paguei apenas US 110 dólares por ele, ao invés dos US $200 que será cobrado dos outros que adquirirem a caixa, mas mesmo estes que não vão receber todas as expansões podem ter certeza de que não ficarão desapontados com os horrores ancestrais que espreitam no interior dessa caixa. 

Eu tirei 32 fotografias a medida que tirava Cthulhu Wars da embalagem e estou compartilhando com vocês, leitores da Diehard GameFAN. Lembre-se que é possível clicar em cada imagem e ver uma versão mais detalhada. Pretendo fazer uma resenha do jogo mais adiante, mas por enquanto aproveitem as belas imagens.


IMG_1952

O pacote como foi entregue. A caixa de correio estava um pouco avariada, mas repare no número. 10,000 caixas de papelão dessas seguiram viagem. Eu nem posso imaginar como foi remeter tudo isso. A caixa é enorme, dá para colocar uma criança dentro.

IMG_1953

A caixa é aberta e o inimaginável começa a emergir de seu interior.

IMG_1954

O jogo removido da caixa em que ele veio. Reparem na ilustração da capa, dá para ser mais legal?

IMG_1955

De volta a caixa.

IMG_1956

Abrindo a tampa para revelar o interior.

IMG_1957

Um saco de veludo para guardar as peças e o material de jogo.

IMG_1958

Os dois tabuleiros de Cthulhu Wars ainda dobrados.

IMG_1959

O primeiro tabuleiro para partidas com três jogadores.

IMG_1960

O primeiro Tabuleiro para partidas com cinco jogadores.

IMG_1961

O segundo tabuleiro para partidas com três jogadores.

IMG_1962

O segundo tabuleiro para partidas com cinco jogadores.

IMG_1963

O Manual de Regras.

IMG_1964
IMG_1965

Duas imagens do Manual de Regras.

IMG_1966

As cartas dos jogadores e das facções.

IMG_1967

A parte de trás da Carta das facções do Caos Rastejante (Nyarlathotep) e Símbolo Amarelo (Hastur).

IMG_1968

As cartas do Grande Cthulhu e da Cabra Negra (Shub-Niggurath)

IMG_1970

Cartões de referência rápida para agilizar os turnos de jogo.

IMG_1971<
IMG_1972

Frente e verso de peças e marcadores para serem destacados.

IMG_1973
IMG_1974

Outra cartela de peças e marcadores.

IMG_1975
IMG_1976

Frente e verso de mais uma cartela.

IMG_1977
IMG_1978

A cartela final de peças. São tantas peças para destacar!

IMG_1979

A ágina com as informações para a compra das expansões. Ainda bem que comprei no Financiamento Coletivo.

IMG_1980

O verso da folha com as expansões. Há muitas miniaturas novas e elementos a serem adquiridos.

IMG_1981

As miniaturas básicas do Jogo. Amarelo para Hastur, Verde para Cthulhu, Vermelho para Shub-Niggurath e seus Dark Youngs e Azul para Nyarlathotep. A questão é, pintar ou não essas miniaturas. Eu gostaria de fazê-lo, mas é provável que não seja prático, uma vez que a cor serve para identificar cada facção do jogo.

IMG_1982

Muitas miniaturas!!!!

IMG_1983

Nightgaunt em azul e O Rei Amarelo em… amarelo.

IMG_1984

As peças de Acólitos e Cultistas para cada facção, junto com Deep Ones (Verde), Ghouls (Vermelho) e criaturas mortas vivas (amarelo).

IMG_1985

Star Spawn e Shoggoth, os pesos pesados da facção de Cthulhu.

IMG_1986

Um Mi-Go (vermelho) e Byakhee (amarelo)

IMG_1987

Um Hunting Horror e um Flying Polyp do lado de Nyarlathotep.

E aí está! Esse é o conteúdo básico da caixa de Cthulhu Wars. As miniaturas são perfeitas, cheias de detalhes, melhores até do que as minis licenciadas que vemos por aí.

Em breve vou tentar arranjar um tempo para escrever uma resenha de Cthulhu Wars, mas visualmente o jogo parece incrível.