segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Os Devoradores nas Brumas - Comentários sobre a Sessão e Idéias para o Cenário

Semana passada mestrei a aventura "Os Devoradores nas Brumas" no Encontro de RPG do Saia da Masmorra em Ipanema. Esse é o primeiro cenário do livro "Inacreditáveis Casos Sobrenaturais" para Rastro de Cthulhu.

O livro, contém quatro aventuras prontas no estilo pulp que podem ser usados como uma mini-campanha com os mesmos personagens ou em aventuras solo. Há uns meses fiz uma resenha completa à respeito desse livro que pode ser encontrada no link no final desse artigo.

Pretendo fazer alguns comentários à respeito dessa primeira aventura e compartilhar algumas idéias que na minha opinião ajudaram a tornar a estória mais legal. Essas mudanças não chegam a alterar a estrutura do cenário, trata-se de uma aventura curta composta de várias situações envolvendo os personagens perdidos em uma ilha e presos num legítimo pesadelo do Mythos.

É impossível fazer esses comentários sem revelar os segredos do cenário e contar boa parte da estória. Não quero ser estraga-prazeres, por isso, aviso aos que não jogaram "Devoradores nas Brumas" e pretendem fazê-lo que PAREM DE LER NESSE MOMENTO à fim de preservar as surpresas da aventura.

Se você, no entanto, vai ser o Guardião e pretende mestrar a aventura, fique à vontade para usar as idéias sugeridas ou adaptar algum trecho que tenha achado válido. Eu adoraria receber um feedback à respeito de como foi a aventura para outros mestres que usaram essas mudanças.

Aviso dado, vamos em frente...


"Devoradores nas Brumas" é uma aventura divertida de jogar e mestrar. Não se trata de um cenário muito original, afinal, colocar os personagens em um ambiente hostil do qual não se pode escapar é uma idéia que já foi bem explorada em muitos outros cenários.



Mas isso não quer dizer que a aventura seja ruim, pelo contrário... eu gostei bastante da estória e tenho certeza que ela será um desafio para iniciantes e veteranos.

1) Pontapé Inicial - Os Personagens

A aventura ao meu ver funciona melhor com personagens novatos ou que tenham tido um encontro mínimo com o Mythos de Cthulhu. Isso não impede que um deles possa ter tido um encontro com os horrores do Mythos, mas na minha concepção, Devoradores é uma boa oportunidade para introduzir personagens no reino da insanidade.

Também é uma aventura que funciona melhor com um grupo de personagens que não se conhece e que é obrigado de uma hora para outra a confiar e depender de completos estranhos. Esse fator ajuda muito a inflamar as coisas nos momentos de maior perigo e gerar atrito nas situações de jogo. Lembre-se, em situações de crise, em que um grupo de desconhecidos é levado aos seus limites e obrigado a cooperar entre si, nada mais natural do que ocorrer desavenças.

Nesse sentido, acho interessante envolver personagens que tenham filosofias antagônicas: Por exemplo colocar um policial (com justiça como motivação) e um ex-presidiário (que odeia autoridade) é promessa de uma boa disputa. Juntar um militar heróico que sempre acha que está com a razão e uma feminista decidida a agir conforme suas próprias regras ou ainda um cientista arrogante com um ocultista de mente aberta para o mundo paranormal, irá facilitar o surgimento de bons debates. Da mesma forma, colocar entre os sobreviventes do naufrágio um judeu e um simpatizante do regime nazista ou quem sabe um comunista e um milionário diletante, ajudará a fomentar um clima natural de desconfiança e paranóia.

2) Sobreviver é preciso...

Um dos pontos chave de "Devoradores nas Brumas" é o fato dessa estória ser à respeito de Sobreviência. Os personagens são náufragos em uma ilha que oferece remotas chances. Não há água e comida suficiente no lugar e os pobres investigadores terão de sofrer muito (mas muito mesmo!) para obter o mínimo de recursos.

Nada contra, acho até bastante condizente e realista representar essas dificuldades, afinal sobreviver numa ilha deserta não é moleza.

Mas por outro lado, eu me pergunto: será que isso é divertido? Quer dizer, ninguém espera que seu personagem em uma ambientação como Rastro, morra de fome ou de sede. Estripado por um monstro, com certeza, sacrificado em uma orgia de sangue por cultistas, é claro! Mas faminto e sedento? É até meio... indigno.

Outro problema desse enfoque é que ele obriga os personagens a ter a habilidade Sobrevivência. Se nenhum personagem tiver pontos nessa habilidade as coisas vão ficar insustentáveis e se as regras forem usadas ao pé da letra, é quase certo que a coisa acabe em morte. E ninguém quer jogar uma sessão de duas ou três horas e perder o personagem porque não localizou uma fonte de água.

Além do mais, a aventura é pulp! Nesse estilo, os protagonistas sempre conseguem perseverar diante das dificuldades, podem até "sofrer pra diabo", mas eles são heróis e heróis não morrem de fome e sede.

Minha sugestão? Releve um pouco a severidade dessas situações. A aventura é muito cruel nesse ponto. Isso não significa ser bonzinho, deixe claro que os personagens estão passando por maus bocados, que eles não têm conforto, que vão ficar famintos e esgotados, mas dê a eles a chance de sobreviver e lutar contra as ameaças que habitam a ilha.

Podem ter certeza: seus jogadores não irão chiar se forem chacinados pelas criaturas da ilha, mas se um deles morrer de sede pode apostar que você vai ouvir muita reclamação.

3) Mudando a Criatura e sua natureza

Uma das mudanças mais drásticas que fiz, diz respeito a criatura principal da estória, Abholos.

Eu resolvi trocar o monstro com poderes semi-divinos por uma criatura do Mythos - que ainda que seja poderosa - está longe de ser uma entidade.

Nem dá para dizer o quanto eu detestei o trecho que sugere que o monstro pode assumir a forma de um livro. Sério, isso ficou muito tosco e quase desisti de mestrar a aventura por causa disso.

Felizmente, achei uma saída. Transformei o monstro em um Proto-Shoggoth, uma criatura servil criada a partir de manipulação genética pela raça dos Anciões milhões de anos atrás. Sempre quis usar esses monstros em uma aventura e a criatura cabia como uma luva nesse contexto (imagem ao lado).

O Proto-Shoggoth foi aprisionado pelos seus mestres em um objeto cristalino indestrutível semelhante a um cetro com símbolos gravados em sua superfície azulada. Foi esse o objeto que o professor Clive Lewiston confiou a equipe do avião para que fosse lançado no mar.

O artefato encerra a criatura em seu interior em uma espécie de "dimensão de bolso", mas depois de tanto tempo a criatura descobriu como enviar sugestões mentais a qualquer pessoa que toque cristal. É claro, o objetivo da criatura é se libertar de sua prisão, mas para isso, precisava convencer uma criatura inteligente a destravar a prisão. O proto-Shoggoth tentou persuadir Lewiston mas o professor foi mais forte. Sabendo da natureza das criaturas do Mythos, ele guardou o artefato em um estojo de couro cheio de símbolos de proteção e o confiou a aviadora Ruth Copeland que sobrevoaria o Pacífico, convencendo-a a lançá-lo nas profundezas do oceano.

O que Lewiston não esperava é que o navegador aéreo e companheiro de Ruth, Kenner Housman fosse ser tolo o bastante para ignorar seus avisos a respeito do conteúdo do pacote. Acreditando que ali dentro poderia haver algo valioso, Housman abriu o estojo e manipulou seu conteúdo permitindo que o Proto-Shoggoth inundasse sua mente com visões bizarras.

Acometido de pesadelos e cada vez mais instável, Housman acabou se rebelando contra a aviadora no momento em que ela tencionava lançar o pacote ao mar. Durante a confusão, o navegador libertou a criatura na cabine a 2 mil pés de altitude. O avião perdeu altitude e mergulhou em uma pequena ilha não mapeada. Os dois tripulantes morreram na queda do avião e a criatura se viu livre para vagar pela ilha.

Ele não criou a ilha, mas vem usando seus poderes para assimilar as formas de vida nativas e a vegetação drenando a vida nativa e transformando animais e plantas em mutantes. A ilha se tornou seu domínio e depois de tanto tempo que passou presa, a criatura está faminta por sensações, por isso, ela tem interesse em atrair seres humanos.

Os investigadores ficam sabendo à respeito da criatura através das anotações no diário de Housman encontrado nas ruínas do avião no meio da selva. O artefato de cristal também está no meio dos ferros retorcidos do avião e pode ser recuperado.

O personagem que primeiro toca no misterioso artefato recebe uma visão a respeito do funcionamento da prisão. Ele fica sabendo como abrir e fechar a dimensão para capturar o Proto-Shoggoth. Para isso é claro, o grupo terá de se arriscar rumando até o covil da criatura para o confronto final de uma maneira muito semelhante a cena final descrita no livro.

Colocarei os atributos e mais detalhes sobre o Proto-Shoggoth em um artigo próprio.

4) O Naufrágio e as cenas de Flashback

Tendo alterado o monstro e diminuído seu nível de poder tive que alterar o fato da criatura ter provocado o naufrágio do Imperatriz da Caledônia.

Eu preferi usar o acaso para justifiar a presença dos investigadores na ilha.

Em meados de 1930 ainda existiam muitas minas marítimas perdidas flutuando à deriva no Oceano Pacífico. Mesmo após o fim da Grande Guerra, essas minas constituíam um perigo em potencial para as rotas de cruzeiros entre a América e a China. Na minha versão, o Imperatriz da Caledônia se choca com uma dessas minas o que provoca uma grande explosão na casa de máquinas e o afundamento do navio de passageiros. A foto nesse tópico, inclusive, é de um naufrágio decorrente de uma colisão com uma mina perdida, ocorrida com um navio australiano em 1934.

Uma das idéias mais bacanas na aventura é deixar em aberto para os jogadores os momentos de flashback e assim permitir que eles próprios relatem um pouco da história de seus personagens. A idéia é muito boa e dá aos jogadores a oportunidade de desenvolver o background de seus jogadores.

5) Handouts e Props

"Devoradores nas Brumas" é um cenário bastante físico. Há pouca investigação e muito mais espaço para ação e aventura. Na ilha afinal de contas não há bibliotecas, cartórios e arquivos. Também não há testemunhas que possam ser interrogadas.

Mesmo assim dei um jeito de produzir alguns Handouts para a estória.

O diário de Kenner Housman, uma fotografia de Ruth Copeland e de seu avião, um cartão postal do Imperatriz da Caledônia, uma embalagem de cigarro japoneses (que pertencia aos marinheiros do pesqueiro Bishamun) e a descrição da visão experimentada pelo personagem que toca no cristal foram os handouts que inclui.

Eu também usei um cristal de verdade para representar o artefato. O prop é bem simples mas serve para determinar qual personagem recebe as instruções de como ele funciona. Em termos gerais quem coloca a mão nele primeiro é escolhido.

Bem é isso, essas foram as mudanças mais significativas que implementei no cenário. Como há várias situações soltas, o guardião tem liberdade para escolher aquelas que deseja usar e criar outras.

Se alguém tiver interesse nos handouts é só passar um endereço e eu envio por e-mail.

Abaixo o link para a resenha completa do livro "Inacreditáveis Casos Sobrenaturais":

http://mundotentacular.blogspot.com/2011/10/resenha-inacreditaveis-casos.html

19 comentários:

  1. Olá Luciano,

    Gostei das suas idéias! Pretendo mestrar este cenário no fds agora.

    Se possícel favor enviar as props: mamedes@uol.com.br.

    Valeu!

    ResponderExcluir
  2. Grande Luciano, na verdade já mestrei metade do cenário, mas ainda das tempo de inserir os handouts, pretendo terminar nesse sábado. Agradeceria muito se pudesse me enviar.
    prieto_lucas@hotmail.com
    abraços

    ResponderExcluir
  3. Interessantes as suas mudanças.

    Acho que combinam bem com a ideia.

    Achei os handouts otimos. e tb agradeceria se vc pude-se envia-los.

    desde ja, obrigado.

    lordandersonSM@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. tem como enviar para mim tb? hgehringjr@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. Mande pra mim pro favor: adriandelonge1985@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  6. Cara, podes enviar handouts e props pára mim tb?

    aislanadi@gmail.com

    ResponderExcluir
  7. Pretendo narrar esse cenário também e os seus handouts são de grande ajuda, como foram para a minha narração de St. Margaret.

    A propósito, você pode me passar o link de como você prepara os handouts? Creio que vi algo sobre isso aqui no Mundo Tentacular. E, caso não tenha feito nenhum tutorial sobre isso, seria uma boa ideia.

    Se puder, envia os materiais para o meu email: pio_ocara@hotmail.com

    ResponderExcluir
  8. Se não for pedir muito Luciano, envie para mim por favor. andrejespersen@hotmail.com. Obrigado desde já.

    ResponderExcluir
  9. Aproveitando a carona, e também se não for pedir muito, poderia enviar os hand outs pra mim também? Meus email: mdrudi@gmail.com

    Desde já, obrigado.

    ResponderExcluir
  10. Enviei para todos os handouts em atach no e-mail, se alguém não receber me dê um toque e eu reenvio.

    Gostaria de ler um feedback à respeito da aventura daqueles que fizeram as alterações para saber como foi. Fico aguardando.

    ResponderExcluir
  11. olá....pode me mandar os handouts pf..

    fabiocmontenegro@gmail.com

    ResponderExcluir
  12. Bom , terminei a aventura hj. Embora n tenha feito a modificação referente ao antagonista, mantive o livro, os handouts foram úteis. Os jogadores sempre gostam de receber algo como resultado de suas ações.Apesar de só ter ficado 1 jogador em pé no final, apenas um virou Devorador. Foi bem interessante inserir jogadores novatos no meio do grupo que já tinha participado de algumas aventuras. A respeito do gancho, vc vai puxar qual como continuação?? Tiros em Xangai?

    ResponderExcluir
  13. olá! gostaria de receber seus handouts!!!

    zoso47@hotmail.com

    aproveito a oportunidade para parabenizá-lo pelo Blog, está cada vez melhor!

    abraços!

    ResponderExcluir
  14. Olá!

    Gostaria muito dos handouts, por favor será que pode me enviar?

    kingfuim@hotmail.com

    ResponderExcluir
  15. Ola, li e gostei das propostas de jogo q vc fez. Vc poderia mandar os handouts pro meu email, por favor: draconico@ig.com.br, se não for pedir muito, também gostaria dos handouts da aventura agonia de st margareth, se vc puder enviá-los também. Obrigado.

    ResponderExcluir
  16. Olá!

    Gostei muito dos handouts,será que pode me enviar?

    Obrigado

    Heyder_link@hotmail.com

    ResponderExcluir
  17. poderia mandar-me

    Maia.sauloherbert@gmail.com

    ResponderExcluir
  18. Olá,
    Poderia me mandar os handouts tb? Mestrarei no próximo final de semana e seria um ótimo acréscimo a mesa.
    Grato
    wagner_spawn@hotmail.com

    ResponderExcluir
  19. Não sei se ainda tá vendo este post, mas eu também ficaria muito agradecido se pudesse me enviar os handouts.

    igormartin@ig.com.br

    ResponderExcluir