segunda-feira, 28 de maio de 2012

Titanoboa - No rastro da maior cobra de todos os tempos


Cientistas constataram recentemente a existência de uma enorme serpente pré-histórica, medindo incríveis 14 metros de comprimento. A maior espécie de cobra conhecida na atualidade mede metade disso.

Cerca de 58 milhões de anos atrás, esse réptil assombroso deslizava pelas selvas pantanosas da América do Sul, espalhando um reinado de terror. Pesando mais de uma tonelada e medindo 14 metros, o animal podia engolir um crocodilo inteiro.

Alguns anos atrás, os cientistas nem sabiam que esse monstro existia. “Nunca em nossos sonhos esperaríamos encontrar uma cobra tão grande”, disse o cientista Carlos Jaramillo, parte da equipe que fez a descoberta.

Os cientistas acreditam que a serpente, nomeada Titanoboa, era parente distante da atual anaconda e  jiboia, as maiores cobras na atualidade. O animal não era venenoso, a titanoboa esmagava a sua presa com uma força de constrição de aproximadamente 28 quilos por centímetro quadrado, o suficiente para transformar a vítima de seu abraço em um saco de ossos pulverizados e órgãos esmagados.

Os fósseis foram descobertos em uma escavação na enorme mina de carvão Cerrejón, no norte da Colômbia. Em 2002, os cientistas tinham descoberto no mesmo local indícios do que foi uma rica floresta tropical da época Paleoceno (65 a 55 milhões de anos atrás).

Junto com folhas e plantas fossilizadas, os pesquisadores desenterraram restos de répteis tão grandes que desafiavam a imaginação. “O que descobrimos foi um mundo gigante de répteis perdidos – tartarugas do tamanho de uma mesa de bilhar e os maiores crocodilos na história dos fósseis. esses animais viviam e caçavam em um ambiente impiedoso onde apenas os maiores e mais capazes conseguiam sobreviver”, disse Jonathan Bloch, especialista em evolução de vertebrados da Universidade da Flórida, EUA.

Na época, eles também descobriram vértebras da serpente colossal, mas não tinham material suficiente para provar a sua existência. “Depois da extinção dos dinossauros, este animal, a Titanoboa, foi o maior predador na superfície do planeta por pelo menos 10 milhões de anos. Um verdadeiro monstro capaz de se alimentar de qualquer outro predador de grande porte.”, explicou Bloch.

Os cientistas precisavam do crânio da cobra para obter uma imagem completa de como o animal era, o que comia e como sua ação no meio-ambiente estaria relacionada com as espécies modernas.

No ano passado, uma equipe partiu com a missão de encontrar esse fóssil, com poucas expectativas de sucesso. Os ossos do crânio de uma cobra são frágeis, e raramente sobrevivem. Quando o animal morre, o tecido conjuntivo se decompõe e todos os ossos individuais geralmente dispersam. Como a Titanoboa é muito grande e seus ossos do crânio também são, é uma das poucas cobras que deixam registro fóssil.

No ambiente semi-preservado do interior da mina, a equipe conseguiu recuperar os restos de não apenas um, mas de três crânios. Usando como base esses crânios, o réptil pode ser reconstruído com precisão pela primeira vez.

Uma réplica em tamanho real está em exibição no Museu de História Natural Smithsonian, em Washington, EUA fascinando e impressionando aqueles que tem coragem de encará-lo. Veja as fotos abaixo:


3 comentários:

  1. Isso me deu uma ideia para Trail of Cthulhu...

    ResponderExcluir
  2. É o tipo da criatura que pede para ser usada em um cenário pulp de Trail of Cthulhu na Amazônia. Basta fazer uma associação a Yig, o Pai das Serpentes e pronto. Na boa, sanidade por ver uma cobra do tamanho de um ônibus.

    ResponderExcluir
  3. PQp, que coisa LInda, pode devorar um ser humano facilmente em.

    ResponderExcluir