sábado, 10 de julho de 2010

Devoradores de Mortos - Anatomia dos Ghouls


“Aquelas figuras não eram inteiramente humanas, apenas aparentando ser dotadas de algum grau de humanidade. Eles tinham feições canídeas e uma aparência bestial transbordando maldade”.

"Pois um ghoul é um ghoul, e na melhor das hipóteses um companheiro desagradável para um homem".

The Dream Quest of Unknown Kadath

Ghouls estão entre os monstros mais conhecidos incorporados por H.P. Lovecraft aos Mythos de Cthulhu. Um ghoul é a terrível criatura que serve como modelo para o pintos Richard Pickman no conto de mesmo nome. Em "A Procura de Kadath" é Pickman e outros ghouls que Randolph Carter encontra em sua jornada pelo mundo dos sonhos. Desde então ghouls são figuras recorrentes na literatura dos Mythos de Cthulhu aparecendo em inúmeros contos.

A versão de Lovecraft para os ghouls é inspirada no mito árabe dos ghûls mencionados nas "Mil e uma noites". Segundo os relatos árabes, o ghûl possui forma humana, mas aparência facial monstruosa que remete a um cão. Eles assombram cemitérios e mausoléus alimentando-se de cadáveres recentemente enterrados e tentando iludir andarilhos que acabam caíndo em suas garras.

Segundo Lovecraft, os Ghouls são criaturas diabólicas, humanóides com patas traseiras em forma de cascos fendidos, aparência canina e garras afiadas. Existem ghouls menos bestiais que possuem um semblante mais humano com pés relativamente comuns, uma mandíbula normal e consideravelmente menos pêlos no corpo. Alguns podem se passar por humanos, caso vistam roupas pesadas que disfarcem seus traços animalescos. Estes indivíduos eram originalmente seres humanos que ainda não atingiram o estágio final de mudança.

Ghouls tem um corpo esguio e musculoso, os exemplares mais desenvolvidos são em geral mais fortes e ágeis que o ser humano médio. A estatura deles varia entre 1,50 m e 1,85 m, podendo os indivíduos mais altos atingir até 2 metros de altura e pesar 150 quilos. Ghouls são também mais rápidos, eles podem se deslocar eretos ou usando os braços para se movimentar velozmente, de forma similar aos gorilas. Para essa função, ghouls são dotados de braços mais longos que o normal. As pernas musculosas dos ghouls também permitem que eles saltem a uma distância de até 5 metros e a uma altura de até um metros e meio saindo de um ponto estático.

Os ossos dos ghouls são consideravelmente mais densos do que os de humanos, assim como a pele e músculos que se mostram bem mais resistente. Há indícios de que ghouls possuem duas camadas epidérmicas protetoras o que ajuda a preservar sua integridade evitando ferimentos profundos. Ghouls são reconhecidamente resistentes a disparos de armas de fogo e apenas munição de grosso calibre é capaz de atravessar sua pele. Relatos a respeito de ghouls alvejados que se levantam para continuar lutando comprovam a resistência sobre-humana dessas criaturas.

Os órgãos internos e funções corpóreas de humanos e ghouls se assemelham bastante. Ghouls são capazes de ficar vários minutos sem respirar, talvez seja uma defesa natural surgida para compensar a falta de ar ou bolsões de gases tóxicos comuns em ambientes subterrâneos. Relatos afirmam que eles são virtualmente imortais por idade, contudo é mais provável que eles tenham uma expectativa de vida bastante longa beirando os 300 anos. Espécimes que eram originalmente humanos vivem consideravelmente menos, algo em torno dos 150 anos.

O idioma dos ghouls é descrito como uma série de rosnados e ganidos ininteligíveis. Assim como acontece em algumas linguagens o tom e a inclinação são de grande importância, determinando as sutiliezas do linguajar. Não se sabe ao certo se os ghouls possuem um idioma único compartilhado por toda espécie, mas embora seja aceitável a existência de diferentes dialetos, todos decorrem de uma mesma raiz linguística. É possível um humano aprender a estrutura frasal dos ghouls, mas compreender as nuances idiomáticas pode demorar anos.

Ghouls são plenamente capazes de se manifestar em idiomas humanos, ou ao menos entender a língua falada no local que habitam. Aqueles que eram originalmente humanos e que conheciam outros idiomas retém esse conhecimento após a transformação.

Poucas sociedades ghouls possuem acesso a escrita. O caráter secreto de sua existência faz com que os ghouls produzam poucas evidências de sua sociedade. Eles não costumam possuir livros que relatem sua estória ou realizações, para essa função, as sociedades ghouls mais desenvolvidas possuem indivíduos incumbidos de guardar e compartilhar os segredos do bando, sua estória, suas realizações e sua biografia. Esses indivíduos são de suma importância para manter a coesão do bando. Como ocorre em muitas sociedades primitivas, o conhecimento é compartilhado oralmente e disseminado entre todos os componentes do bando quase de modo ritualístico.

Contudo ghouls possuem artefatos com um simbolismo próprio. Esses objetos geralmente são construídos com componentes orgânicos como ossos, cabelo, tendões, dentes... podem ser itens que pertenceram a líderes mortos, feiticeiros humanos ou criaturas dos mitos abatidas e reverenciadas. Esses artefatos representam a unidade do bando e são de suma importância em rituais e cerimônias.
Ghouls tem um íntimo conhecimento das entidades e divindades dos Mitos de Cthulhu. Isso permite que eles sobrevivam incólumes às incômodas verdades relacionadas a existência e ao despertar dos Antigos. Se por um lado eles são imunes a perda de sanidade decorrente da exposição aos mitos, por outro suas existências são marcadas por um seentimento de profundo fatalismo.

Raramente ghouls reverenciam entidades dos Mitos como seus deuses, no entanto cultos de ghouls perseveram, sobretudo aqueles devotados a entidades das profundezas da Terra como Nyoghtha, Abhoth e Shudde-Mel. Outras entidades respeitadas pelos ghouls são Yibb-Tstill e Mordiggian. Este último possui aquilo que está mais perto de ser compreendido como uma religião estruturada conhecido como "Culto do Deus do Abatedouro".

Ghouls podem aprender magias e rituais, mas raramente fazem uso das disciplinas arcanas. Algumas sociedades de ghouls consideram esse aprendizado um tabu e proíbem qualquer um de se aprofundar nesses mistérios. Entretando ghouls dominando feitiçaria não são totalmente desconhecidos, indivíduos que gozam de status semelhante ao de shamans permeiam a sociedade ghoul sendo igualmente respeitados e temidos. Curiosamente ghouls não vêem impedimento em associar-se a feiticeiros e bruxos humanos que os tem muitas vezes como servos e aliados.

Hábeis escavadores, Ghouls possuem um senso natural no que diz respeito a técnica de cavar e construir túneis subterrâneos. Embora sejam capazes de usar ferramentas nessa função, ghouls tendem a utilizar as mãos e patas para essa tarefa específica.

Ghouls são perfeitamente adaptados a vida nos túneis. Seus olhos compensam a ausência de luz e eles são capazes de ver perfeitamente na escuridão. A visão dos ghouls se assemelha a visão de gatos e seus olhos emitem um leve brilho quando refletem luminosidade. Ghouls também são capazes de sentir as menores alterações no deslocamento de ar em seus túneis, como aquela provocada pela abertura de uma porta.

Os sentidos dos ghouls são comparativamente mais sensíveis que os humanos. Seu olfato é muito sensível, eles são capazes de sentir cheiros a uma distância de vários metros. Ghouls possuem uma espécie de memória olfativa que lembra a eles diferentes cheiros que são relacionados a pessoas e lugares. Um ghoul pode reconhecer um indivíduo apenas pelo cheiro. Reza a lenda que alguns deles são capazes de determinar se uma pessoa está falando a verdade ou mentindo com base apenas no odor corporal. O odor do medo segunda lendas enfurece os ghouls que se sentem compelidos a matar quando farejam esse sentimento.

Contudo, o olfato dos ghouls é muito mais apurado quando eles buscam por alimentos, leia-se carne putrefata. Um ghoul é capaz de farejar um cadáver em decomposição a quilômetros de distância e localizá-lo usando apenas o faro. A precisão de um ghoul em busca de alimento é comparável a de um cão perdigueiro. Na sociedade ghoul, aqueles que possuem o olfato mais desenvolvido são chamados de "Farejadores" e ocupam um papel de destaque na unidade familiar. O farejador afinal é aquele capaz de localizar alimento necessário para a existência do bando.

A audição dos ghouls é refinada por sua existência nas câmaras profundas e corredores subterrâneos sempre silenciosos. Eles são seres em perpétuo estado de alerta podendo captar ruídos à grande distância. Essa qualidade ajuda os ghouls a escapar quando humanos estão nas imediações. A sensibilidade auditiva por vezes pode ser uma desvantagem para os ghouls que reagem com confusão quando expostos a ruídos ultra-sônicos.

Notavelmente imundos, ghouls costumam exalar um fedor ofensivo que remete a terra remexida, odor corporal e podridão. O cabelo crespo e grosso (semelhante a crina de cavalos) que recobre o corpo dos ghouls jamais é limpo e a existência nos túneis subterrâneos, repletos de bolor, terra e detritos orgânicos favorece a proliferação de parasitas como piolhos e pulgas em quantidade epidêmica.

É dito que abaixo de toda grande cidade erguida pelo homem, existem complexos habitados por ghouls. Estes servem como morada e como uma rota segura para que as criaturas possam transitar fora da influência da humanidade. Embora ghouls evitem o contato direto com humanos, são intimamente dependentes deles visto que subexistem dos corpos depositados no solo. Teóricos dos Mythos estabelecem que sem os humanos, os ghouls não sobreviveriam.

Ghouls costumam cavar seus túneis nas proximidades de cemitérios e tumbas onde um estoque de alimento pode ser encontrado com facilidade. A tática para os ghouls removerem os cadáveres da sepultura normalmente envolve escavar um túnel abaixo de uma sepultura e em seguida remover o caixão e seu precioso conteúdo.

Em determinados momentos da história humana, os ghouls ousaram deixar seus túneis sobretudo em momentos conturbados como na Grande Guerra da Europa e em meio a tragédias como o Incêndio de Roma e o Terremoto de Lisboa. Nestas ocasiões dizem as lendas, ghouls ceiaram nas ruas das grandes cidades fartando-se dos milhares de cadáveres insepultos. Alguns ghouls acreditam que pouco antes do despertar dos Grandes Antigos, eles poderão deixar seus túneis para uma derradeira ceia em um momento de grande tumulto na sociedade humana.

Como já foi dito, ghouls são carniceiros preferindo se alimentar de corpos em decomposição. Sua dieta consiste de carne apodrecida seja de origem animal ou humana. O ideal para um ghoul é um cadáver recentemente enterrado com o processo natural de putrefação iniciado. Estas criaturas, no entanto não são tão seletivas com a comida, de modo que o grau de frescor ou putrefação pode variar enormemente conforme o gosto de cada indivíduo.
É possível que um ser humano normal se transforme em um ghoul ao longo de uma série de etapas distintas. O consumo de carne humana está ligado a essa transformação e constitui requisito essencial para iniciar a mudança. É provável que apenas indivíduos com a pré-disposição genética para essa transformação possam passar pela experiência e que ela só se inicie mediante o consumo regular de carne. Alguns estudiosos dos Mythos ancestrais, inclusive o "Cultes des Goules" defendem a hipótese de que a exposição a elementos dos Mythos também podem iniciar a mudança, contudo essa tese jamais foi confirmada.
Diferente dos Deep Ones, indivíduos com a pré-disposição podem ter uma vida normal sem jamais passar pela mudança. Porém se ela se iniciar, a alteração se torna irreversível.

Assim como acontece com os Deep Ones, a procriação entre humanos e ghouls é plenamente possível, sendo o resultado desse cruzamento híbridos conhecidos como hu-ghouls. Os hu-ghouls se assemelham aos parentes humanos e podem viver entre eles sem despertar suspeitas. Muitos hu-ghouls no entanto apresentam um desenvolvimento mental retardado e progressivo distanciamento emocional diagnosticado não raramente como autismo. A maioria dos hu-ghouls (não todos) possuem a pré-disposição para a transformação completa. A opinião dos ghouls a respeito da existência dos hu-ghouls varia bastante, em alguns lugares essas criaturas podem ser aceitas e até mesmo incentivadas a fazer parte do grupo, em outras são considerados como aberrações sacrificadas de imediato.

Ao contrário do que muitos supõem, ghouls não são feras destituídas de inteligência. Pelo contrário, embora possam parecer animais irracionais, eles possuem um nível de inteligência que os coloca no mesmo patamar dos humanos. É preciso tomar cuidado extremo ao lidar com ghouls pois na mitologia de Cthulhu existem poucas criaturas mais implacáveis e astutas.

10 comentários:

  1. Fantástico!
    Estava precisando de um artigo assim para minha próxima sessão já que quero colocar os investigadores em contato com essas criaturas!

    Matou muitas das minhas curiosidades!

    ResponderExcluir
  2. Opa Pablo,

    Obrigado pelos comentários. Os ghouls são os monstros do mês no Mundo Tentacular, e tema central de uma série de artigos a partir desse.

    Eu sempre adorei os ghouls são monstros terríveis e assustadores.

    ResponderExcluir
  3. Muito legal cara! É deste tipo de monstro que as mesas de jogo precisam, muito mais astutos e terríveis. Espero pelos próximos artigos!

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo ótimo artigo! Desde "Quest to Unknown Kadath" virei fã dessa raça (e inclusive coloco lá em outros cenários/sistemas, como D&D).

    Para os realmente interessados por ghouls, fica a recomendação do ótimo (sombrio e extremamente visceral) "Throne of Bones", uma série de romances de fantasia centrada nos ghouls, escrita por um autor fã de Lovecraft e premiada lá fora.

    ResponderExcluir
  5. Ótimo artigo, realmente.
    Não sei se chega a ser um bom paralelo, mas a leitura me lembrou um conto do Clive Barker. n'O Trem de Carne da Meia-Noite' fala sobre uma raça que vive no subterrâneo de New York. Seria uma adaptação interessante?

    ResponderExcluir
  6. Opa JNS,

    O Trem da Carne é uma ótima analogia aos ghouls de Lovecraft. Quando li o conto de Clive Barker anos atrás, os patriarcas me pareceram algo bem semelhante aos ghouls e cheguei a escrever um cenário baseado nele.

    Por falar nesse conto, ele foi recentemente adaptado para o cinema. Vou aproveitar e colocar a resenha do filme aqui.

    ResponderExcluir
  7. Realmente, muito bom o post... Parabens!

    ResponderExcluir
  8. Olá! Vocês saberiam me dizer a origem da seguinte imagem?: http://4.bp.blogspot.com/_EcPIkSX_XIU/TDdC8gNIpII/AAAAAAAACT0/F_QID_QQ9Ck/s400/Trapped+in+the+Labyrinth.jpg

    Obrigada :)

    ResponderExcluir
  9. Muito bom! obrigado pelo ótimo artigo!

    ResponderExcluir