quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Mandados para Valhalla - Cova com Guerreiros Vikings encontrada na Inglaterra

Despojados, decapitados e lançados em uma cova comum. Os corpos de 51 jovens guerreiros foram descobertos em uma escavação no sul do Reino Unido. Os homens brutalmente assassinados finalmente foram identificados como guerreiros vikings.

Os esqueletos sem cabeça foram encontrados em Junho de 2009, em uma cova rasa com mais de mil anos de idade, nos arredores da cidade litorânea de Weymouth.

Exames preliminares de rádio-carbono atestaram que os homens viveram entre 910 e 1030 d.C., um período extremamente violento da história européia, marcado por invasões de saqueadores nórdicos.

Até recentemente, os arqueólogos não sabiam precisar a quem pertenciam os cadáveres sem cabeça. A decapitação era uma forma comum de punição a criminosos e inimigos na Inglaterra do século X. O objetivo, é claro, era fazer com que eles servissem de exemplo para outros trangressores. Desde o início havia a suspeita que os corpos poderiam pertencer a vikings, mas não se podia dizer com certeza.

Um novo estudo investigou traços químicos nos restos que revelaram sua origem geográfica. Isótopos isolados nos ossos mostraram que eles pertenciam a indivíduos provenientes de climas mais frios que a Grã-Bretanha. O laudo apontou também que eles tinham uma dieta rica em proteínas e frutos do mar, com os mesmos índices obtidos nos restos de indivíduos que habitavam a costa da Suécia neste mesmo período.

As análises também indicaram que os homens tinham entre 17 e 24 anos de idade quando morreram e que possuíam ferimentos condizentes com uma vida de violência e batalha. Eles eram grandes, com formação óssea robusta. Alguns ossos apresentavam desgaste no ombro e pulso, relacionado a prática de luta com espadas, machados e outras armas pesadas. Ossos partidos e ferimentos cicatrizados demonstravam que alguns deviam ser veteranos de outras batalhas.

Tudo indica que os homens foram feitos prisioneiros e levados até o local para serem executados. Vários cadáveres foram jogados na vala com os braços atados às costas e pernas imobilizadas. Marcas distintas na traquéia sugerem o uso de garrotes e lâminas antes da decapitação.

Uma curiosidade é que nada foi encontrado junto dos esqueletos. Os homens marcharam para a morte nus. Suas armas, roupas e objetos pessoais foram confiscados em uma demonstração clara de vingança. Seus algozes não lhes permitiriam o menor conforto ou dignidade enquanto eles eram conduzidos para seu destino final. De fato, os habitantes das regiões costeiras odiavam os saqueadores nórdicos e quando conseguiam capturar um deles, os tratavam com extrema brutalidade. O fato deles terem sido enterrados também demonstra uma forma de desrespeito para com os guerreiros que preferiam ser cremados em piras funerárias.

As cabeças de metade deles repousava em uma cova próxima, elas foram cuidadosamente empilhadas antes de serem cobertas. As demais provavelmente se tornaram horríveis troféus de batalha, adornando estacas fincadas nas praias e demais locais de desembarque a fim de desestimular outros saqueadores.

À despeito da reputação brutal dos vikings, seu comportamento em batalha era bastante similar ao dos guerreiros ingleses e saxões da época. Até visualmente devia ser difícil diferenciar um guerreiro Viking de um saxão, visto que todos usavam o mesmo equipamento composto principalmente de lanças, tendo espadas e machados como armas reserva. Alguns empregavam também escudos redondos de madeira reforçada.

O que diferenciava os Vikings é que eles eram mestres em ataques de surpresa. Uma de suas táticas mais eficazes envolvia realizar o desembarque em alguma praia distante e marchar para os vilarejos durante a noite, atacando de madrugada. Enquanto esperavam o momento do ataque eles bebiam para espantar o frio. Antes da batalha, a maioria dos guerreiros já se encontravam embriagados e ansiosos pelo massacre.

É relativamente seguro afirmar que nenhum povoado a menos de 25 quilômetros da costa estava em segurança de sofrer um ataque. Surgindo na calada da noite carregando tochas e com elmos de chifres, uma horda Viking devia ser uma visão aterrorizante. Os clássicos capacetes com chifres aliás eram especialmente assustadores para os supersticiosos britânicos. Nos primórdios do cristianismo, religiosos preferiam cometer suicídio (indo contra um dos dogmas mais fortes da sua fé) do que se deixar capturar pelos guerreiros nórdicos.

Mas nem sempre eles conseguiam escapar impunes como comprova a cova de Weymouth, um testemunho assustador de uma era de incrível violência.

17 comentários:

  1. Grande "Yellow"... Excelente artigo...! Apenas uma adição curiosa !
    A decapitação citada, se chama "Colheita de Macha", é feito em honra a deusa da guerra Macha, e tem por objetivo "impedir q o guerreiro reencarne e ameasse novamente o povo das ilhas" !
    Assim eles acreditavam que o guerreiro decapitado jamais teria paz e seu espirito não iria encontrar os deuses!

    E não há NENHUMA evidência histórica dos famosos "capacetes com chifres" isso na verdade nunca existiu, ao menos com sentido pratico, talvez até existisse com sentido de rituais, ms como "objeto de combate" seria inviável, pq desequilibra, pesa e torna o guerreiro ainda mais desajeitado !

    Ótimo Artigo !

    ResponderExcluir
  2. Opa Diógenes, obrigado pelos comentários e pelas informações. Gostei do nome "Colheita de Macha"

    Sobre os capacetes, eu encontrei essa referência ao uso deles como instrumento de intimidação. Possivelmente eles seriam usados ritualisticamente como você mencionou.

    Ouvi falar que os chifres serviam para invocar a força do touro, animal de onde eles eram retirados.

    ResponderExcluir
  3. Ótimo artigo! Mas concordo com o amigo Diogenes, não só não existe qualquer indício de uso dos famosos elmos com chifres em batalha, como especialistas afirmam que o seu uso seja pouco provável, aja visto a notória habilidade em combate dos mesmo, sendo que um elmo com chifres seria uma grande desvantagem.

    De acordo com alguns especialistas o mesmo era utilizado apenas em rituais e principalmente assembleias, poucos sabem mas a sociedade Nórdica era Democrática e extremamente culta.

    ResponderExcluir
  4. Sobre o costume de decaptaçao, a citada "Colheita de Macha", um costume celta, já que macha era uma divindade celta.
    O caso aqui apresentado é de saxoes vs vikings, os saxoes sao germanicos, o que inviabiliza a "colheita de macha".

    ResponderExcluir
  5. Murazor ! No caso, os Saxões e Nórdicos (Vikings) que ocuparam as ilhas britânicas por vezes se misturavam a cultura local e acabavam por se tornar "iguais aos celtas Galeses" (e outras tribos).
    Ademais, temos que lembrar do fato de a Cultura Celta e Escandinava-Nórdica, ser muito semelhante, uma vez que, por exemplo, os Thuathá dé Dannan, deuses mais cultuados nas ilhas britânicas serem originários da Dinamarca (Dane Land, no original, q traduzindo seria "Terra dos Danos" ou "terra do povo de Danu/Dannan").
    Outro exemplo de Hibridização cultural, é a aparição do deus Celta "Lugh" na mitologia escandinava, pertencendo inclusive a coorte de Odin.
    Dessa forma, é mais que plausivel ter ocorrido de fato a "Colheita de Macha" no caso em tela !
    Por fim, quanto ao Elmo de chifres, talvz possa sim ter sido usado como metodo de intimação ou ritual, ms realmente, ninguém gostaria de entrar com combate c aquilo ! rsrs! Imagina um Marinheiro saltando do seu Drakkar tendo seu corpo desequilibrado por causa dos chifres?! rsrs!

    ResponderExcluir
  6. Certamente vão virar Einjeards (não sei como escreve... mas quem sabe o que é vai entender)

    ResponderExcluir
  7. Dógenes, Macha é uma divindade irlandesa, cultuada pelas tribos da Irlanda. E o episódio citado se passa na Inglaterra saxônica. Ou seja, vikings oriundos da escandinávia mortos nos reinos saxoes da inglaterra.

    Mas o caso é que os ataques vikings ocorriam na época em que o leste da Inglaterra já seria praticamente um reino saxonico, com as populaçoes nativas celtas (nesse caso, reduzidas aos galeses, escoceses e córnicos, praticamente) e suas tradiçoes mais preservadas ao oeste (gales, escócia e cornualha).
    Isso sem falar que estamos falando de uma época em que os reinos saxoes da Inglaterra eram cristaos se nao me falha a memória, por volta do ano 1.000 dC.
    Entao o que nos leva a crer que a tal colheita de macha que se refere, um hábito celta (e nao somente irlandes, embora o nome da deusa "Macha" devia ser usado na Irlanda) de cortar as cabeças e também colocar em estacas nas suas vilas, é algo bem anterior a chegada dos vikings (e dos saxoes também). Pense assim, os celtas, autores desses costumes foram invadidos pelos romanos e sofreram uma romanizaçao, o cristianismo e os saxoes. Ou seja, os antigos costumes celtas já deveriam estar bem apagados pela civilizaçao romana, pelos hábitos cristaos e depois pela colonizaçao saxonica/juto/anglos, talvesz sobrevivendo em tribos isoladas ao oeste da grande Ilha.
    Eu realmente nao acredito que assentamentos costeiros romanizados, cristianzados e colonizados e incorporados a reinos saxoes ainda preservassem culturas celtas depois de quase 1.000 anos de dominio cultural. Ou seja, temos uma inglaterra Celta, depois uma inglaterra romana, depois uma inglaterra saxonica. sao mudanças étnicas, culturais e politicas grandes, levando em conta que as possessoes ao leste ja eram saxonicas desde quase 500d.C. e antes eram romanas.

    ResponderExcluir
  8. Os Tuath Danan eram cultuados na Irlanda, fazendo parte da mitologia e história oral daquela regiao e nao nas ilhas britanicas (Inglaterra). Os galesas da inglaterra possuiam um idioma, cultura epanteao de divindades diferentes das cultuadas na irlanda.

    Sobre os Tuath Danan serem oriundos da Dinamarca, isso é mais uma teoria apenas, já que nao se sabe exatamente quem eram ou se realmente existiram (eles chegaram a irlanda em barcos voadores ou algo assim segundo lendas). A palavra tuath significa tribo e Danan seria o nome da tribo. Atribuir isso a Dinamarca é especulaçao, eu mesmo ja li essa teoria bem como a de que Danan seria de "Danu" uma divindade-rio, ligado ao rio Danúbio, atribuindo essas as tribos do danúbio, que viviam nas proximidades de suas margens. Esse extenso rio vai da alemanha, atravessa a romenia até o mar negro. Mas como comentei, é também apenas mais uma especulaçao... sejam Tribos do danúbio ou Tribos da Dinamarca. Se realmente teria alguma ligaçao com a Dinamarca, entao o idioma irlandes antigo deve preservar semelhanças com o dinamarques escandinavo. E eu nao sei dizer se há algum parentesco nessas línguas.

    ResponderExcluir
  9. Murazor... A Romanização da Inglaterra foi muito fraca, principalmente pq, é notório q os romanos não impunham sua cultura, apenas suas leis !
    E Apesar dos saxões e outras tribos terem invadido e colonizado o local, elas absorveram por vezes sim a cultura local e a mantiverm!
    Quanto a cristianização... as tribos das ilhas britanicas em geral eram convertidas e mantinham em geral os mesmos habitos q tinham antes da converção... então... é provavel q mantivessem habitos "pagãos" !
    A "especulação" ou lenda, n importa... os bardos cantavam que os Danus eram uma tribo q vinham da região da dinamarca, uma tribo q acreditava ser descendente de deuses... q fugiram de lá para a inglaterra, e da inglaterra para a irlanda ! Os DEUSES chegaram em barcos voadores ! Não a tribo!
    O Debate ta bom cara, ms acho meio "ruim" fazer isso em um forum ! rsrsrs!

    ResponderExcluir
  10. Diogenes...
    A Romanizaçao na Inglaterra foi o reduto da cultura romana até a queda de Roma. Foi o local chamado de terra dos "últimos romanos". Tanto devido ao número de legioes que essa antiga provincia romana possuia, quanto a romanizaçao e assimilaçao das tribos britanicas. O que voce deve estar confundindo é com as tribos galesase e córnicas ao oeste e com os pictos e escotos ao norte que sempre permaneceram a parte do processo.
    Quanto aos deuses eu ja te disse, Macha é uma divindade irlandesa. os Tuath Danan sao divindades Irlandesas também. O mito deles na irlanda os trata como colonizadores/invasores e depois os ascende ao nível de deuses, e foram eles que chegaram em barcos voadores segundo as lendas.
    Os deuses e panteos britanicos sao diferentes dos irlandeses. Macha nao se enquadra no panteao gales/britanico.
    As invasoes saxonicas foram muito fortes, conquistando e tomando a terra dos britanicos e os empurrando para o cada vez mais para o oeste.
    As invasoes vikings na inglaterra (England, ja chamada de terra dos anglos), foi claramente uma ameaça aos reino anglo-saxao que ja estava estabelecido. Anglos saxoes que há muitos seculos ja invadiram, se estabeleceram e ja eram ate mesmo cristianizados.
    Voce deve estar fazendo confusao pelo termo "Celta" que designa varios povos europeus com cultura similar, mas que nao significa que usem o mesmo panteao de deuses, falem o mesmo idioma, ou sigam os mesmos costumes. Os pictos eram celtas, os irlandeses eram celtas, as tribos britanicas eram celtas, os gauleses eram celtas, os celtiberos/iberos eram celtas, dentre muitas outras. Isso nao significa que todas realizavam a colheita de Macha, uma divindade Irlandesa, cultuada na irlanda. Cada povo celta possuia uma identidade cultural própria e distinta dos demais, embora especul-ase que talvez tenham tido a mesma raiz original.
    Abraços. Espero que tenha dado para esclarecer um pouco o tema. E concordo que o debate nao é apropriado para o blog. Me perdoem. Um Abraço a todos e parabéns pelas idéias, discussoes e matérias.

    ResponderExcluir
  11. Muito bom o post, realmente. Luciano, vou colocar este post no hotsite do RPG Vikings da Conclave, tudo bem? Citarei lá a fonte, estou avisando para evitar constrangimentos. Mais uma vez, parabens.

    ResponderExcluir
  12. adoro o blog .! estou fazendo um trabalho, no qual tenho que fazer uma revista, o assunto principal (materia de capa) é sobre esse post, tirei daq .! e queria falar para voces, que estou divulgando o blog na revista, e coloquei todas a referencias que tinha, para n perderem toda a credibilidade, que se deve apenas a voces.! muito obrigada, beijos, barbara

    ResponderExcluir
  13. interessante como nessas horas todo mundo vira especialista e fala como se fosse professor, totalmente certo, sem a mínima possibilidade de estar errado....

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  15. Excelente texto! Só fiquei com duvidas em relação a parte que fala sobre os elmos com chifres... Até onde sei, esse tipo de ornamento não era usado, você poderia citar a fonte onde encontrou isso? Eu realmente gostaria muito de ler.

    ResponderExcluir
  16. Show de bola esse texto, estou lendo bastante sobre vikings realmente em outros artigos pela internet são citados os chifres...

    ResponderExcluir